Macaco, a banda da consciência ecológica

Foto: Facebook

Por Elissandro Santana, para Desacato.info.

Poderia hoje discorrer sobre a miserável política brasileira ou outra desgraça qualquer em algum rincão mundial, mas como esta é a semana de meu aniversário, resolvi buscar a leveza da existência a partir da produção musical de uma das bandas e artistas que mais me toca há anos – Macaco.

Macaco é uma banda musical originária de Barcelona, na Espanha, formada no ano de 1997. Todos os membros que a compõem são oriundos de diferentes países como Brasil, Camarões, Venezuela e Espanha, por isso, talvez, por essa conformação multicultural-nacional, este grupo, na voz de Mono Loco, nosso querido Dani, um artista revolucionário genial, imprime em sua produção artístico-musical uma mistura de sonoridades com estilo eletrônico, latino e, como não poderia faltar, a rumba[1].

Faz-se oportuno dizer que esta banda canta, principalmente, em castelhano, mas, nem por isso, deixa de musicar em idiomas como o português, o francês, o inglês, o italiano e, também, em catalão[2]. Dito isto, chamo a atenção para o fato de que Macaco me toca tão profundamente que, no momento em que pensei em esboçar este artigo para a coluna “A Outra Reflexão”, prontamente fui levado a abrir uma página no youtube para guiar meus pensamentos e escrita através do som mágico produzido por esta banda ecológica ímpar.

Tocado pelo canto e por este som que invade meus canais auditivos, percorrendo as sinapses que me possibilitam processar mensagens codificadas em cada palavra proferida musicalmente, deixo o convite aos leitores para que reservem um tempinho e parem para escutar canções interpretadas por esta banda que cura nossa alma e nos faz pensar a cura do Planeta nestes tempos em que o capitalismo cristaliza o homo economicus sem ligação com a própria mãe que lhe deu a vida, o aguenta e o faz crescer – a mamãe Terra.

Com um canto que rasga a alma e nos faz enxergar a beleza da vida, assim como as mazelas políticas geradoras da miséria, Macaco antecipa discussões que a velha mídia no Brasil e no mundo teima em retardar. Por exemplo, em letras como “Mundo roto”, nos convida a refletir sobre as dores dos refugiados. O vídeo oficial para divulgação desta canção foi gravado no dia 9 de maio de 2009 no campo de refugiados Saharauis de Dajla, a 172 kms de Tundouf, na Argélia, no chamado “deserto dos desertos”. Em “Madre Tierra”, nos conclama ao amor a Pachamama, àquela que nos pariu e que nos protege – o imenso Planeta Terra, tão explorado pela humanidade sem consciência e sem sensibilidade que destrói a possibilidade de futuro. Em “Hijos de un mismo Dios” apresenta os entraves decorrentes da desconexão da humanidade e mostra, de forma muito crítica, o movimento das panelas em São Paulo, dentre outras questões, dado que a letra é deveras profunda e crítica. Na canção “Brindo por ti”, apela para que comemoremos o sabor da existência a partir da ética do amor. Já em “Mensajes del agua” as metáforas nos fazem pensar não somente a questão ambiental, mas o poder de transformação do mundo e de tudo a partir da unidade e do respeito à diferença. A letra está repleta de construções discursivas profundas como:

“E o que posso fazer se eu nasci no Mediterrâneo; e o que posso fazer se perdi as gotas de teu pranto; em tuas gotas me inundei, transparências em minha sede, sonhei tempestades de amor e fé, como a chuva de primavera apagando rachaduras e igualando marés. É que gotas sobre gotas somos ondas que fazem mares. Gotas diferentes, mas gotas todas iguais”.

É oportuno destacar que além das canções mencionadas, outras tocam em temas profundos e plurais, sempre fazendo a interlocução com a existência e a sustentabilidade.

Já para terminar a reflexão, saliento, tempestivamente, que sou grato à Universidade Federal da Bahia e às professoras fantásticas que tive do setor de espanhol do Instituto de Letras, pois minha aproximação ideológico-identitária com este grupo se deu ao longo de minha formação em línguas na referida universidade. Foi nesta instituição que, pela primeira vez, na metade da década de 2000, tive a oportunidade de estudar com profissionais que me aproximaram de artistas mágicos como Daniel, ou Dani Macaco ou Mono Loco e toda a Banda mais ecológica que já tive o prazer de escutar. Ademais, é interessante pontuar que com este grupo, bem como com outros artistas na mesma linha de consciência política, ecológica, social e cultural musical, aprendi a pensar não somente as questões linguísticas, literárias, filológicas e socioculturais do espanhol, mas, também, que a música pode nos possibilitar uma formação de amplo espectro em campos diversos.

Por fim, como costumo ficar mais sensível nos dias que antecedem o meu aniversário, nesta segunda, dia 5 de março do corrente ano, fuçando meu baú de memórias musicais, de repente, deparo-me com a melodia político-ambiental de Macaco e, por isso, resolvi presenteá-los/las com uma análise sensível acerca de interpretações e músicas na doce e ecológica voz de Dani, o Mono Loco ou Dani Macaco, este artista incrível dominado pela consciência musical ecológica que o mundo inteiro precisa conhecer.

Enfim, esta banda brinca com nossa alma, remodelando nossos conceitos e concepções sobre o mundo, fazendo com que cantemos e bailemos ao som da consciência. Por tudo isso, ainda que pareça pretencioso, não deixarei de externar que eu faço aniversário, mas ao sugerir que escutem as canções interpretadas por Macaco, o presente quem ganha é você, caro/a leitor/a do Portal Desacato.

[1] https://pt.wikipedia.org/wiki/Rumba

[2] https://pt.wikipedia.org/wiki/Língua_portuguesa

+Memórias da censura musical na América Latina

Para ver a obra do Macaco
https://www.youtube.com/channel/UC14Efs7muqPD1RdyOBDq-Lw

 

Elissandro SantanaElissandro Santana é professor da Faculdade Nossa Senhora de Lourdes, membro do Grupo de Estudos da Teoria da Dependência – GETD, coordenado pela Professora Doutora Luisa Maria Nunes de Moura e Silva, revisor da Revista Latinoamérica, membro do Conselho Editorial da Revista Letrando, colunista da área socioambiental, latino-americanicista e tradutor do Portal Desacato.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Interessante um artigo desses neste país de corruptos, ladrões e predadores ambientais. Faltou colocarem um link para as tais músicas! Aonde tem isso, no YouTube?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.