Brasil abandona a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenho

O governo de Jair Bolsonaro considera que o bloco ‘dá palco para regimes não-democráticos’

OLSONARO E ERNESTO ARAÚJO (FOTO: VALTER CAMPANATO/EBC)

O governo de Jair Bolsonaro anunciou, nesta quinta-feira 16, a saída do Brasil da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) por considerar que “dá palco para regimes não-democráticos”.

“O Brasil decidiu suspender sua participação na Celac. A Celac não vinha tendo resultados na defesa da democracia ou em qualquer área. Ao contrário, dava palco para regimes não-democráticos como os da Venezuela, Cuba, Nicarágua”, declarou o chanceler Ernesto Araújo.

“O Brasil reforça sua determinação de trabalhar com todas as democracias da região – seja bilateralmente, seja na OEA, no Prosul ou no Mercosul – por uma agenda de liberdade, prosperidade, segurança e integração aberta”.

A Celac, que reúne 33 países, foi criada em 2010, nos anos dourados da esquerda na América Latina, com o objetivo de promover o diálogo na região. Mas a atuação do bloco foi praticamente paralisada nos últimos anos diante da chegada de governos  conservadores ao poder na região.

Bolsonaro é um duro crítico dos governos de esquerda de Luiz Inácio Lula da Silva, promotor da Celac, e Dilma Rousseff (2011-2016).

Em abril de 2019, Bolsonaro oficalizou a saída do Brasil da Unasul, outro bloco promovido por Lula e criado em 2008. Em seu lugar, passou a integrar o Prosul, criado em março passado, no Chile.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.