A intensa força das mulheres do deserto

Tive a oportunidade de visitar algumas vezes os acampamentos de refugiados saharauis em Tindouf, na Argélia, a convite da Frente Polisario. Em todas as cinco ocasiões em que visitei a região, impressionou-me muito a presença vigorosa das mulheres em tudo que se faz naquele deserto.

Foto: Reprodução

Por Sayid Marcos Tenório.

Ouvi muitas narrativas sobre a luta contra o colonialismo espanhol, a guerra contra o ocupante marroquino, a estruturação dos acampamentos no deserto argelino e até como elas estão à frente do funcionamento de toda a vida no exílio.

Foi lá que pude perceber o quanto é essencial o papel daquelas mulheres na luta de resistência e pela conquista dos legítimos direitos à liberdade e à independência. Elas são um dos maiores símbolos da resistência do povo saharaui. É comum ouvir dos homens e dos anciões que sem as mulheres, a luta não teria existido!

Mulheres saharauis, no entanto, não diz muito sobre a diversidade que constitui este coletivo que é formado por mulheres de origem berbere, de tradição beduína, africanas, árabes, de religião islâmica e refugiadas. Se as identidades são plurais, a opressão do reino colonialista de Marrocos as unifica.

Contextualização histórica

A presença da mulher saharaui antecede à fundação da Frente Polisario em 1973, quando o Sahara ainda era uma colônia espanhola. Desenvolviam uma guerra de guerrilhas contra o colonizador, aproveitando-se da vantagem do seu conhecimento do deserto. O objetivo estratégico era a independência Nacional e a fundação do seu Estado próprio.

O discurso da Frente Polisario de chamamento das mulheres à luta tornou-se forte e conquistou adesões, porque defendia que elas eram e são agentes de transformação não apenas na luta de libertação Nacional, como também na conquista da igualdade de gênero.

Quando a Espanha abandonou o Sahara Ocidental e entregou seu território em mãos do Marrocos e Mauritânia, em 1975, e o rei Hassan II deu início a Marcha Verde para ocupar o território saharaui, a Frente Polisario deu início a um enfrentamento armado para libertação do território ocupado, que durou 16 anos. A resistência mostrou-se eficaz e a Mauritânia optou por um acordo de paz e a retirada, ocasião que o Marrocos aproveitou para ocupar quase a totalidade do território.

Naqueles combates, os saharauis foram covardemente atacados pela aviação marroquina com bombas de napalm e de fósforo branco em suas cidades, o que obrigou o êxodo de milhares de homens, mulheres e crianças para se refugiarem no deserto, até que acabasse o conflito. Os ataques criminosos provocaram centenas de mortes, entre elas a da primeira vítima de uma morte injusta, a mártir saharaui Chaiaa Ahmed Zein, que se encontrava grávida.

Enquanto os homens lutavam no deserto contra a ocupação marroquina e da Mauritânia, as mulheres saharauis se encarregaram de construir e organizar os campos de refugiados no território cedido pela Argélia. Elas estavam presentes na vanguarda da luta revolucionária, mas também exerceram um forte papel na retaguarda, que garantiu a organização social e política dos acampamentos, fonte de sustentação do governo e do movimento de libertação no exílio.

A República Árabe Saharaui Democrática (RASD) nasceu em meio à guerra de libertação, articulada por comitês revolucionários formados com forte presença de mulheres. E na resistência contra a ocupação, nasceu também a União Nacional de Mulheres Saharauis, estruturada em Casas da Mulher, com uma sede em cada acampamento. A UNMS é uma organização feminista, que atua dentro do esforço de união pelo direito à autodeterminação e para conscientizar e promover a presença e protagonismo das mulheres, a sua participação política, social, cultural e profissional na sociedade saharaui.

A UNMS propaga um discurso político eficiente e ao mesmo tempo complexo através do lema “Autodeterminação dos Povos, Autodeterminação das Mulheres”, numa sintonia fina entre os direitos coletivos do povo saharaui e os direitos das mulheres, duas tarefas que ocorrem conjuntamente.

A escritora espanhola Dolores Juliano, em seu livro La causa saharaui y las mujeres (1990), afirma que “a participação massiva da mulher saharaui na sociedade, a consideração e o respeito que goza dentro da sociedade, não é nada que tenha nascido nos últimos anos, no que é a República Árabe Saharaui Democrática atual, mas é algo que trazem consigo na história do povo saharaui, a história da vida de nômades, em que a mulher era considerada, era respeitada e contribuía com a sociedade, como qualquer outro de seus membros”.

O lugar das mulheres na luta e no cotidiano

As saharauis são ativistas que aproveitam qualquer oportunidade para expressar seu apoio e participação no movimento de resistência e para explicar aos visitantes como a ocupação rebaixa a vida do seu povo. Qualquer pessoa que visita o Sahara ouvirá que saharauis vivem naquelas condições porque o Marrocos nega sua dignidade, viola constantemente os direitos humanos e rouba suas riquezas naturais impedindo que seu povo possa usufruir delas.

As mulheres do deserto são vigorosas lutadoras pela paz, pelos direitos humanos e pela autodeterminação, conceitos pacificados na Carta das Nações Unidas, na Declaração Universal dos Direitos Humanos e em diversos tratados internacionais, cujos únicos dois membros da ONU que os desrespeitam vergonhosamente são Israel – que pratica apartheid genocida na Palestina e o Reino do Marrocos.

Elas se destacam nos campos de refugiados, nos lares, na resistência diária nos territórios ocupados e também no cenário internacional como porta vozes do seu povo, denunciando os crimes do Marrocos, função que exercem com dignidade e profissionalismo, num contexto de guerra e de conflitos pela libertação da última colônia da África.

Esse engajamento nas esferas administrativa e política permite que as mulheres saharauis gozem de um estatuto político e jurídico muito avançado se comparado a outros países com condições econômicas e sociais semelhantes, bem como em relação a outros países de religião islâmica.

O Sahara Ocidental como uma sociedade, é um exemplo vivo dentro do conjunto dos povos islâmicos, onde as mulheres saharauis realizaram um caminho muito coerente com uma cultura que é tão importante quanto a própria religião. No Sahara o Islã é entendido e exercido como foi concebido em sua origem, ou seja, sem discriminação de gênero e com forte conteúdo político libertário e de enfrentamento às injustiças.

Estas condições desafiam o pensamento dominante no Ocidente sobre as mulheres muçulmanas, que segundo o senso comum difundido pela mídia, tratam-se de mulheres oprimidas e impotentes.

As mulheres saharauis são a prova de que as mulheres árabes-muçulmanas não existem como um grupo homogêneo. E que os estereótipos difundidos pela mídia, não são aplicados no Sahara Ocidental.

As mulheres saharauis trabalham com afinco para obter avanços na organização da sociedade civil, especialmente a organização das mulheres, dos jovens e dos deficientes, cujos esforços merecem o máximo reconhecimento, uma vez que se trata de uma experiência desenvolvida no campo da democracia, igualdade e boa governança há mais de 43 anos, nas circunstâncias adversas do exílio no deserto.

Elas são o motor de uma economia que se baseia na gestão exemplar da ajuda humanitária recebida pelos refugiados saharauis, bem como na promoção de pequenas iniciativas e autofinanciamento que permitem a autossuficiência, destinada a reavivar as economias das famílias. E essa não é uma tarefa fácil numa região desprovida de infraestrutura adequada para enfrentar condições climáticas extremas, com fontes de água esparsas, num território impossivel de se desenvolver agricultura nem pastoreio

Sob a direção de mulheres saharauis, os campos de refugiados foram transformados em núcleos urbanos organizados, limpos e solidários. São as mulheres saharauis que asseguram uma educação e convivência que permitem uma vida sem a incidência de chagas urbanas como a violência de gênero, machismo, abusos sexuais de crianças e adolescentes e sem idosos abandonados.

Visitei vários acampamentos, como o de Smara onde convivi durante uma semana com uma família majoritariamente de mulheres. Falavam com naturalidade sobre como o divórcio é encarado como algo normal na sociedade saharaui e até comemorado em festa pelas famílias, que permanecem amigas. E onde os filhos, em regra, ficam com a mãe e a sua família, exceto em casos específicos. No sahara não há nenhuma mulher encarcerada por motivos políticos ou criminais. Os avanços luta das mulheres saharauis ainda se depara com o poder dos colonizadores, que oprimem seu modo de vida, obrigando-as a encontrar novas formas de resistência.

As meninas saharauis frequentam a escola desde pequenas e quando terminam o ensino obrigatório, seguem seus estudos no exterior, principalmente em Cuba, Venezuela e Europa, onde cursam medicina, engenharia, direito, pedagogia etc. Muitas ficam nos países que se formaram, mas a maioria retorna ao Sahara para aplicar seus conhecimentos nos campos de refugiados e servir ao seu povo. Quando perguntadas o que querem ser, respondem na lata: o que quiser!

Embora a maioria dos jovens se especializem no exterior, o Sahara conta com centros de educação superior. A RASD está desenvolvendo projeto da sua primeira universidade, a Universidade de Tifariti, fundada em 2012 com a ajuda e solidariedade de numerosas universidades europeias, africanas e latino-americanas, que acolhe atualmente 450 alunos e funciona com quatro cursos: Enfermagem, Magistério, Informática e Jornalismo.

As saharauis estão à frente de várias organizações de resistência, entre elas a Associação de Familiares de Presos e Desaparecidos Saharauis (AFAPREDESA), que realiza marchas no deserto portando fotos de familiares e amigos desaparecidos, encarcerados e torturados pelo ocupante marroquino, para denunciar ao mundo a brutal repressão que sofrem as mulheres e homens nos territórios ocupados.

O Reino Marrocos é responsável pela morte e desaparecimento de centenas de vítimas, incluindo dezenas de mulheres saharauis torturadas, perseguidas e presas, que continuam a ser o alvo principal da política de repressão marroquina nos territórios ocupados.

As mulheres presas pelo regime marroquino representam 25% do total dos desaparecidos saharauis, percentualmente o dobro das mulheres chilenas presas, que representam 12,6% do total de desaparecidos durante a ditadura do general Pinochet.

Embora algumas dessas violações contra homens e mulheres tenham sido documentadas por organizações internacionais de direitos humanos, muitas outras continuam acontecendo longe do olhar internacional, devido ao bloqueio midiático e militar imposto para ocultar as violações massivas dos direitos humanos contra civis de todas as idades, incluindo mulheres, homens, crianças e idosos nos territórios ocupados.

Até mesmo no âmbito da ONU, a questão do respeito aos direitos humanos no Sahara Ocidental é tratada com indiferença. A comunidade internacional não pode esquecer da última colônia da África. Que se inspire em suas mulheres lutadoras e pressione o Estado marroquino e a ONU, para que ponham fim às violações dos direitos humanos cometidas contra a população nos territórios ocupados do Sahara Ocidental.

A paciência do povo – e das mulheres, em especial – saharaui está se esgotando. Mas “ainda existe um fio de esperança e a comunidade internacional tem plena capacidade de materializar uma solução justa e definitiva”, foi o que me disse o presidente da RASD, Brahim Ghali, numa entrevista que tivemos durante o Congresso da Frente Polisario que o elegeu com 94% dos votos em julho de 2016.

Marrocos precisa aceitar uma solução pacífica para o conflito e pôr fim a ocupação do Sahara Ocidental, antes que os jovens que cresceram nos acampamentos de refugiados e não sabem o que é uma vida livre – principalmente as jovens mulheres, cheguem à direção política da Frente Polisario e da RASD, porque já não poderão mais detê-los em seu sonho intenso por liberdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.