2017 foi um cenário desastroso para Agricultura Familiar com o Governo de Temer

A onda de desmonte das políticas de desenvolvimento social e econômico continuam a tramitar no Congresso Nacional, com apoio da bancada governista de Michel Temer as promessas é de que até o final de 2017 os parlamentares que apoiaram o golpe aprovem a reforma previdenciária, focando a idade da aposentadoria.

Por Patrícia Costa, em Brasília.

O relatório final da CPI da Previdência Social do Senado concluiu que a Previdência Social não é deficitária, mas, sim, alvo de má gestão. Instalada no fim de abril, a CPI realizou 26 audiências públicas e ouviu mais de 140 pessoas entre representantes de órgãos governamentais, sindicatos, associações, empresas, além de membros do Ministério Público e da Justiça do Trabalho, deputados, auditores, especialistas e professores.

“Os dados mostraram que não há déficit, existe sim uma grande sonegação de impostos dos grandes grupos empresariais e o Governo trabalha com a troca de favores baseado no interesse destes grandes grupos focados em acabar com o direito dos trabalhadores”, destaca Marcos Rochinski, coordenador geral da CONTRAF BRASIL. (Escute o resumo político da semana AQUI)

A CONTRAF BRASIL avalia que a Agricultura Familiar nunca sofreu cortes tão drásticos como este ano de 2017, não apenas no orçamento como também na extinção de estruturas, programas e políticas públicas. “Tivemos os piores índices este ano, o orçamento desastroso que acabou com políticas importantes para o fortalecimento da agricultura familiar como a assistência técnica e extensão rural, habitação com o Minha Casa Minha Vida Rural, obtenção de terras e muitas outras, todas paralisadas e com risco de não ter continuidade no próximo ano”, diz Rochinski.

Nesta sexta-feira dia 10, dia de Paralisação Nacional, vale ressaltar que diante da atual conjuntura política de desmonte, a ativa participação social é essencial para frear medidas que venham prejudicar a classe trabalhadora. “Temos como um todo exercer o papel de cidadão, ir às ruas, protestar e reivindicar. Sem isso, não vamos conseguir barrar o processo de retrocesso. Se calarmos diante dessa onda de desmonte do Estado, o Governo irá continuar tirando direitos, como fez com a reforma trabalhista que já começa a vigorar agora”, ressaltou o coordenador. (Escute o resumo político da semana AQUI)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.