Novo Capítulo de Saúde é Tudo: Lixo e Saúde. Não perca!

Brasil

A chacina e a restrição de direitos como regra nas periferias

Por Pedro Estevam Serrano. A morte da adolescente Letícia Vieira Hildebrand da Silva, de 15…

Por que decidi processar Gilmar Mendes

Por Luis Nassif. O Ministro Gilmar Mendes me processou, um daqueles processos montados apenas para…

Vale processa quem se manifesta por reparação e emprego

Moradores vizinhos à ferrovia no Maranhão são impedidos de protestar contra a mineradora. Multa é…

Carl Hart esclarece o episódio do hotel

Quando voltou ao seu quarto de hotel, no Tivoli Mofarrej, na noite de sexta feira, dia…

A agonia de Salto da Divisa

Por Alice Maciel. Enganada sobre impacto da construção de hidrelétrica, cidade de Minas Gerais brigou…

Palestrante negro é barrado em portaria de hotel cinco estrelas que sedia seminário em São Paulo

No Seminário Internacional do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, o palestrante Carl Hart, professor associado…

África

Editorial

Florianópolis, 30 de agosto de 2015.

O ajuste fiscal da dupla Dilma/Levy foi apresentado como uma medida corretiva necessária e temporária que vai conduzir o país por um novo caminho de “crescimento econômico e de avanço social”.

Esta fábula governamental é a que escutamos reiteradamente desde a década de 70, cada vez que um país em nossa América adota um plano de austeridade. E, depois, como demonstrou Equador com a sua auditoria de uma dívida fraudulenta, não se tratava nada além de um grande desfalque do capital financeiro parasitário aos trabalhadores e à população do continente em geral.

É possível que os jovens que não viveram essa experiência do século passado possam cair ainda neste engano? Para que não sejamos ingênuos, contamos com a recente experiência da Grécia e o enfrentamento do governo de Syriza ao violento ajuste da Troika européia, que voltaram a demonstrar a trapaça econômica, política e social que são os planos de austeridade.

No Brasil, os resultados estão visíveis hoje. As consequências do desemprego são catastróficas. Em julho, se perderam 157.905 postos de trabalhos formais. Foi o mês com a menor geração de emprego desde 1992. Mas, para ter um cenário ampliado, devemos considerar a perda de aproximadamente 500 mil empregos neste ano e, nos últimos 12 meses, o retrocesso em postos de trabalhos foi de quase 780 mil. Como é rotina nestes casos, o ministro de trabalho Manoel Dias afirmou que esta situação negativa vai melhorar em curto prazo. E não contamos com as perdas no emprego informal que foi o que mais cresceu neste novo século.

Ao mesmo tempo a dupla Dilma/Levy promove uma reforma trabalhista com perda de benefícios e direitos com a PL 4330.

É um ajuste que premia com mais de R$ 200 bilhões por ano aos 20 mil rentistas parasitários da dívida pública. E que destina mais de 50% do orçamento federal ao pagamento dos interesses e amortização desta dívida em benefício de banqueiros, capitalistas nacionais e estrangeiros.

E a tendência desta capitulação do governo ao Capital só tende a piorar em meio a uma crise de hegemonia, com um Congresso dominado pela cleptocracia parlamentaria, e um descontrole das forças de segurança, empenhadas no genocídio da juventude negra. Tudo nos ameaça com um presente e um futuro de regressão econômica, social e política.

A resposta a este malicioso panorama só pode vir dos movimentos e organizações da população pobre e trabalhadora do país.

Post to Twitter Post to Facebook

Desacato Passa Revista

 

 

 

 

Nossa América

Nova bandeira da União Europeia?

Nova bandeira da União Europeia?

Trabalho, paraíso e cadernos de caligrafia

Por Viegas Fernandes da Costa. Desde que a sociedade do controle começou a ocupar espaços cada vez maiores, em detrimento à sociedade disciplinar, um dos discursos mais recorrentes no mundo do trabalho é o tal “home office”, ou seja, o já conhecidíssimo “trabalhar em casa”. Diferente do “levar trabalho para casa”, que significava horas-extras não…

A chacina e a restrição de direitos como regra nas periferias

Por Pedro Estevam Serrano. A morte da adolescente Letícia Vieira Hildebrand da Silva, de 15 anos, na última semana, elevou para 19 o número de mortos na chacina ocorrida dia 13 de agosto nas cidades de Osasco e Barueri, na região metropolitana de São Paulo. Durante o tempo em que ficou internada, a jovem, a…

A chacina e a restrição de direitos como regra nas periferias

Por Pedro Estevam Serrano. A morte da adolescente Letícia Vieira Hildebrand da Silva, de 15 anos, na última semana, elevou para 19 o número de mortos na chacina ocorrida dia 13 de agosto nas cidades de Osasco e Barueri, na região metropolitana de São Paulo. Durante o tempo em que ficou internada, a jovem, a…

A chacina e a restrição de direitos como regra nas periferias

Por Pedro Estevam Serrano. A morte da adolescente Letícia Vieira Hildebrand da Silva, de 15 anos, na última semana, elevou para 19 o número de mortos na chacina ocorrida dia 13 de agosto nas cidades de Osasco e Barueri, na região metropolitana de São Paulo. Durante o tempo em que ficou internada, a jovem, a…

A chacina e a restrição de direitos como regra nas periferias

Por Pedro Estevam Serrano. A morte da adolescente Letícia Vieira Hildebrand da Silva, de 15 anos, na última semana, elevou para 19 o número de mortos na chacina ocorrida dia 13 de agosto nas cidades de Osasco e Barueri, na região metropolitana de São Paulo. Durante o tempo em que ficou internada, a jovem, a…

Mundo

Os médicos cubanos no Brasil

Vídeo de palestinas que enfrentam soldado de Israel viraliza na web

As imagens mostram um soldado tentando imobilizar com estrangulamento o garoto Mohamed Tamimi, de 12 anos, quando é cercado pela mãe, a tia e a irmã do adolescente. Elas puxam e batem no militar até conseguirem libertar o menino. Um vídeo…

Milhares de pessoas vão às ruas de Tóquio manifestar contra militarização do Japão

Milhares de pessoas foram às ruas de Tóquio neste domingo (30/08) protestar, em frente ao…

Refugiados são encontrados mortos dentro de caminhão na Áustria

Pelo menos 50 refugiados morreram asfixiados em um caminhão frigorífico, encontrado em uma autoestrada da…

Crisis nas bolsas da China: Penetrar nas sombras

A economia chinesa é um laboratório único para estudar a evolução da economia capitalista. Por…

Leitura Crítica

Por que a direita saiu do armário?

Por Emir Sader.* Quando se usa essa expressão, não se está querendo dizer que ela estivesse…

O mundo indígena e as incompreensões da esquerda

Por Elaine Tavares. O Equador está vivendo dias de muita turbulência em função dos protestos…

Questionando o crescimento econômico

Sempre é oportuno questionar o crescimento econômico, posto que este, impulsionado pelo consumo, organiza em…

JN & Época: Pauta requentada e desonestidade jornalística

Por Samuel Lima. Dois veículos das Organizações Globo protagonizaram, no último final de semana, a prática nefasta (e manjada) da pauta casada: Em letras garrafais e vermelhas, a revista Época (ed. 31/08/2015) anunciou em sua reportagem de capa: “Nosso homem…

Cultura