Volta de profissionais do Mais Médicos em São Paulo é comemorada por usuários do SUS

Justiça determinou que governo federal prorrogasse por seis meses o contrato de 37 médicos que atuam na capital paulista.

Foto: Arquivo Pessoal

Por Cecília Figueiredo.

Lucas Vinícius de Lima, do Programa Mais Médicos, foi recebido com festa nesta quarta-feira (18) por trabalhadores e usuários da Unidade Básica de Saúde (UBS) Dr. José de Barros Magaldi, no bairro Itaim Bibi, zona oeste de São Paulo.

Ele é um dos 37 médicos que retornaram ao seu posto de trabalho, após decisão da Justiça Federal determinando a prorrogação por mais seis meses do convênio do Programa Mais Médicos, firmado entre a Prefeitura de São Paulo e o Ministério da Saúde.

“Gosto muito do programa, de trabalhar pelo programa, com toda a repercussão que ele tem. Gosto de estar na periferia e da maneira que os pacientes nos acolhem”, afirmou o médico da UBS Magaldi, que foi recebido por trabalhadores e usuários com um lanche coletivo.

O acolhimento oferecido pelos profissionais é o ponto alto destacado por usuários que foram atendidos por médicos do programa federal.

A decisão do juiz da 21ª Vara Cível Federal de São Paulo, Paulo Cezar Duran, foi publicada na tarde de terça-feira (17) e se baseia no fato de o encerramento do convênio ter ocorrido antes do Estado oferecer solução ao atendimento público.

“O prazo de seis meses é suficiente para que as partes encontrem uma alternativa para o atendimento à população”, afirma o juiz em seu despacho.

O contrato dos profissionais do Edital 12 do acordo de cooperação expirou no domingo (15), sem que o Ministério da Saúde atendesse ao pedido dos médicos, dos parlamentares, do prefeito Bruno Covas (PSDB) e do secretário municipal de Saúde Edson Aparecido.

No convênio, implementado para suprir em parte a demanda por atendimento nas regiões mais periféricas, a prefeitura repassa ao governo federal os recursos para o pagamento de salários, mas não pode contratar diretamente.

O magistrado acolheu parcialmente o pedido na ação civil pública ajuizada pela Central dos Movimentos Populares (CMP), pelo Movimento pelo Direito à Moradia (MDM) e pela Associação Cidadania e Saúde, que congrega os movimentos de saúde da capital. Os usuários haviam pedido a prorrogação de 36 meses dos contratos para 43 médicos, que faziam parte do Edital 12.

“Brasileiros que se formaram no exterior correspondem a 37 profissionais dessa segunda fase [do Edital 12]”, explica o advogado Patrick Mariano, um dos autores da ação ajuizada.

Há três anos sem o Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira) no país, todos os médicos do programa em São Paulo não possuem o número do CRM (Conselho Regional de Medicina). Isso impede a Prefeitura de contratar esses médicos diretamente. O edital do Ministério da Saúde, entretanto, permitia que eles atuassem sem a licença.

A falta de registro profissional é utilizada como argumento pelo governo de Bolsonaro para antecipar o fim do programa na capital paulista. Este argumento foi respondido com a qualidade do serviço oferecido.

“Destaco que tais profissionais já exercem suas funções no atendimento à saúde da população há tempo relevante sem qualquer notícia de problemas”, avalia o juiz que também argumenta que, se realmente fosse um empecilho intransponível, o convênio não teria sido gerado pela União.

A sentença expedida foi em caráter imediato. Embora as assessorias de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde e Ministério da Saúde não tenham respondido até o fechamento da matéria, alguns médicos informaram que já voltaram a trabalhar nesta quarta-feira (18).

Não-retrocesso

Luciene de Souza Santos é usuária da UBS Vila Santa Catarina há dez anos. Ela lamenta não ter mais a presença da médica Eline Ethel, que teve seu contrato encerrado em junho.

“Gostei muito do atendimento dela. Ela não foi só uma médica, no que se refere a consulta e exames [tradicionais], mas eu estava passando por uma situação não muito boa [emocional] e ela conversou muito comigo, sendo que não era nem obrigação dela. E vou te falar: é difícil encontrar uma médica assim, porque geralmente a maioria dos médicos quando você entra na sala, eles mal olham na sua cara”.

Souza também comenta sobre a descontinuidade do atendimento que tinha mensalmente com a médica.

O advogado Patrick Mariano avalia que o juiz demonstrou bastante sensibilidade com a questão da interrupção abrupta da assistência médica. Na ação, os representantes argumentaram em favor de o Estado garantir o princípio do não-retrocesso. “Isso significa que uma vez atingido um patamar mínimo de proteção social, você não pode simplesmente eliminá-lo”, acrescenta.

O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) criou o Programa Mais Médicos quando ministro do governo Dilma. O médico comemorou a sentença. Ele parabenizou a mobilização realizada no dia 12 de setembro feita por usuários e médicos em favor da manutenção do contrato, defendido pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) e pelo secretário municipal de saúde Edson Aparecido.

“O ministério da Saúde vinha negando essa prorrogação, mas a Justiça deu parecer favorável, por pelo menos mais seis meses o contrato desses médicos e médicas. São médicos brasileiros que estão dando um show de atendimento na periferia de São Paulo”, disse Padilha.

MP 890

O ex-ministro também informou, por meio da assessoria, que foi pedido vistas ao relatório da Comissão Mista (Senado e Câmara) sobre o Programa Médicos pelo Brasil (Medida Provisória 890/2019), apresentado pelo senador relator Confúcio Moura (MDB-RO).

A previsão é de que o relatório sobre a MP do Médicos pelo Brasil seja votado na Comissão Mista na próxima semana e em outubro entre na pauta da Câmara dos Deputados.

O programa foi anunciado em 1º de agosto pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) como substitutivo ao Mais Médicos, para provimento de profissionais em regiões mais carentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.