Todo fim de ano. Por Guigo Ribeiro

 

Por Guigo Ribeiro, para Desacato.info.

Todo fim de ano é a mesma coisa, insistia. E, na vida deste senhor, era mesmo. Outrora se debruçaria sobre versos e algum tempo na tv. Quem sabe a janela e a vista dos passantes embriagados e fartos da comilança. Molharia as plantas e diria mentalmente que logo tudo passa. Mas… sempre igual e tão igual.

Não perdia tempo com ceias, família. Dizia para os meninos estar bem só e que visitas “só quando acabar a bagunça”. E também precisava estar presente para cuidar do Papel, que morria de medo de fogos.

– Essa é minha vida! – dizia.

Opção é opção e não se discute. Que fique só se assim quer. No entanto, a noite da véspera pode amolecer os corações mais petrificados. Ouviu a alegria presente no mundo e, sem motivo, quis entender. Botou calçado e ajeitou os cabelos. Pelas ruas, preocupação com o Papel e plantas, mas com algum desejo entender o motivo do riso.

– Em país de Bolsonaro, como estar alegre? – murmurou.

Desceu a avenida e se encantou com crianças brincando nas luzes de natal. Parou e abriu algum sorriso. As crianças cirandavam por um novo tempo que seria bom mesmo sem entender o que faria desse novo tempo bom. Lembrou dos meninos quando pequenos. Respirou fundo a alegria dos pequenos e seguiu por mais ruas. Música alta, brindes.

– Que diabo de utopia nos pode fazer pensar um novo número como realização?

E voltas e voltas. Ruas. Alguns perigos nos excessos. Alguma troca. Foi até onde os pés permitiram. E voltou para ver o Papel. Pouco antes de entrar, outras crianças pulavam no tempo do piscar das luzes de natal. Uma, tímida, se aproximou e abriu as mãozinhas:

– Feliz natal… – entregando um enfeite de natal.

O senhor:

– Feliz natal… feliz natal! –

Fechou a porta e, apoiado com as costas, viu vida no Papel em sua imensa língua e as plantas. Falou sozinho:

– Deve ser isso. A vida é vida mesmo quando só num sopro.

Bom final de ano. Bom ano novo. São desejos sinceros.

Um forte abraço.

Imagem de capa: Reprodução de pintura de Claude Monet

Guigo Ribeiro é ator, músico e escritor, autor do livro “O Dia e o Dia Que o Mundo Acabou”, disponível em Edfross.

A opinião do/a autor/a não necessariamente representa a opinião de Desacato.info.

#AOutraReflexão
#SomandoVozes

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.