Temer defende corte de gastos e cita Margareth Thatcher em reunião da CPLP

Brasília - DF, 31/10/2016. Presidente Michel Temer durante encontro com o senhor Marcelo Rebelo de Sousa - Presidente da República Portuguesa. Foto: Beto Barata/PR

Por Paulo Victor Chagas.

O presidente Michel Temer aproveitou um discurso diante dos presidentes de países de língua portuguesa para defender o ajuste fiscal que o governo tem promovido nos últimos meses no Brasil. Ele citou a ex-primeira-ministra do Reino Unido, Margaret Thatcher, para dizer que os discursos de ambos se assemelham do ponto de vista do controle das contas públicas.

Temer contou que assistiu a um vídeo nesta segunda-feira (31) em que Thatcher, que comandou a Inglaterra por 11 anos, defendia a contenção das despesas públicas. De acordo com ele, na gravação a britânica defendia que o dinheiro público nasce dos recursos privados, por meio do recolhimento de tributos.

“Ela disse: ‘Olhe, não vamos pensar que o Estado pode fazer projetos generosos e achar que existe um dinheiro público diferente do dinheiro privado’. Então é preciso, em dado momento, dizia ela -, como nós estamos fazendo no Brasil -, conter a despesa pública porque você só pode gastar aquilo que arrecada”, afirmou o presidente.

Falecida em 2013, a ex-primeira-dama ficou conhecida como Dama de Ferro por ter conduzido mudanças com o objetivo de reduzir o papel do Estado na economia e adotar posições firmes na política externa. “Ela até dizia uma coisa trivial: o Estado é como uma casa, sua casa, a casa da sua família, você não pode gastar mais do que aquilo que arrecada. Foi até um vídeo muito interessante porque, embora referente há muitos anos passados, ele se torna atual a cada determinado instante nos vários países”, continuou Temer.

Temer deu as declarações durante abertura da cúpula de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), ocorrida nesta tarde em Brasília. Ele brincou com o português e futuro secretário-geral da ONU, António Guterres, sobre a possibilidade de a língua ser reconhecida como idioma oficial das Nações Unidas durante a gestão de Guterres, que se inicia em janeiro de 2017. Guterres vai suceder o atual secretário-geral, Ban Ki-moon, que deixará o cargo em 31 de dezembro deste ano.

Missão da CPLP

Brasília - Presidente Michel Temer durante encontro com o senhor Antônio Guterres, eleito secretário-geral da ONU (Marcos Corrêa/PR)

Presidente Michel Temer durante encontro com o senhor Antônio Guterres, eleito secretário-geral da ONU Marcos Corrêa/PR

De acordo com Guterres, o mundo tem presenciado a “multiplicação de novos conflitos”, enquanto “velhos persistem”. “Um grupo cada vez mais significativo de guerras continua. Todos aumentam em complexidade, interligados e ligados à ameaça global de terrorismo”, afirmou, destacando a necessidade de prevenção e resolução desses conflitos.

Depois do discurso, em que mencionou “profundas ineficácias” da ONU, Guterres conversou rapidamente com jornalistas sobre o assunto. “As Nações Unidas precisam de muitos aspectos de reforma”, disse. Segundo ele, não é possível uma mudança “completa” enquanto o Conselho de Segurança também não for reformado.

Guterres disse que o seu papel no cargo será o de “facilitar o diálogo” para que essas mudanças sejam possíveis. O Brasil reivindica há anos a reforma do Conselho de Segurança do organismo internacional, que hoje conta apenas com cinco países permanentes (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido).

Durante a sessão de abertura, os chefes de Estado e de governo dos nove países-membros da comunidade aprovaram por aclamação a inclusão de quatro novas nações observadoras associadas da CPLP: Hungria, República Tcheca, Eslováquia e Uruguai.

Edição: Amanda Cieglinski
Fonte: EBC.

Você precisa estar logado para postar um comentário Login