Temer anuncia estudo para privatizar os Correios em meio a greve de mais de 20 estados

Por Juan Dias.

Segundo o ministro Moreira Franco a possibilidade de privatização dos Correios está sendo estudada pelo governo golpista e inclusive já está na lista de privatizações de Temer que já tem entre as empresas a ser entregues para o lucro dos empresários a Eletrobrás, a Casa da Moeda e a Infraero.

Moreira Franco confirmou a entrada dos Correios na lista das privatizações enquanto faz viagem nos Estados Unidos na cidade de Nova York como integrante da comitiva do presidente golpista Michel Temer.

Uma notícia a ser celebrada somente pelos capangas de Temer na juventude, o MBL, e que se enfrenta com uma greve dos trabalhadores dos Correios em mais de 20 estados contra a privatização da empresa e a Reforma Trabalhista.

Afirmou também que a intenção do governo é diminuir o tamanho da empresa passando os Correios a atuar só no setor de logística, o que poderia significar na prática que o serviço postal será terceirizado o que significará a total precarização dos postos de trabalho. Com contratos que acabam cada 6 meses situação que piorará com a reforma trabalhista.

Moreira Franco, temendo uma mobilização dos trabalhadores dos Correios afirmou que a venda da empresa tem que ser feita “com muito cuidado”. Mas os trabalhadores já se encontram em greve desde a terça feira 19/9 em defesa dos seus trabalhos e da empresa pública e por um reajuste salarial de 8% com correção a inflação.

Esse anuncio do ministro de Temer evidencia a necessidade de cercar de solidariedade essa grande greve dos Correios, pois ela pode derrotar esse plano de privatização dessa e de outras empresas estatais centrais, como a Petrobras e os bancos públicos. Além disso, ser uma derrota à Reforma Trabalhista, que retrocede em um século os direitos dos trabalhadores do país.

Fonte: Esquerda Diário

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.