Quantas marielles terão de morrer?

Marielle Franco no ato do 8M. Foto: Thais Alvarenga

Por Manoela de Borba, para Desacato.info.

O assassinato da vereadora do PSOL e ativista dos direitos humanos no Rio de Janeiro, Marielle Franco, e do motorista Anderson Pedro Gomes, não pode ser mais um nas estatísticas. Mulher negra da Favela da Maré, uma das maiores favelas do mundo, Marielle foi a quinta vereadora mais votada no Rio em 2016 e foi assassinada a tiros no Estado sob intervenção federal militar. “Precisamos gritar para que todos saibam o que está acontecendo em Acari nesse momento”, gritou Marielle no domingo, 11, ao denunciar os excessos do batalhão da PM na Favela de Acari. “O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior”, escreveu.

Eleita com 46 mil votos já em sua primeira disputa eleitoral, a voz potente e firme de Marielle sempre foi entoada para falar da vulnerabilidade social e econômica da mulher negra em nossa sociedade e em defesa do povo negro e periférico. Há duas semanas, a vereadora foi nomeada relatora da comissão que investiga a atuação das tropas na intervenção federal militar no Rio de Janeiro. Na semana passada, Marielle denunciou a violência policial em Acari. E ontem, 14, quando voltava de uma roda de conversa com dezenas de mulheres negras, seu carro foi emparelhado em uma região central do Rio do Janeiro e recebeu pelo menos nove disparos. Covardemente a silenciaram.

Marielle não foi morta apenas por ser mulher, negra, feminista e “cria da Maré”. O assassinato da vereadora engrossa as estatísticas de ativistas, militantes e lideranças de movimentos sociais assassinados desde o golpe de 2016 com a destituição da presidenta eleita Dilma Rousseff. Em 2016, segundo o Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos, 66 ativistas foram mortos no Brasil, o equivalente a um defensor de direitos humanos assassinado a cada 5 dias. Neste primeiro trimestre de 2018, outros 7 líderes de movimentos sociais foram mortos. E esses assassinatos são costumeiramente ocultados pelo governo brasileiro. É o extermínio do Estado de Exceção que silencia as vozes dos que lutam.

Quantas marielles terão de morrer? Gritemos!!

 

Manoela de Borba é jornalista e mestranda em jornalismo pela Universidad Nacional de La Plata (UNLP), Argentina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.