Primeiro de Abril: Jornal enumera mentiras ditas por Bolsonaro desde a posse

O “dia da mentira” ou “dia dos tolos”, de acordo com uma das teorias, teria origem na França, em 1564

Foto: Pixabay

Neste dia 1º de abril, o tradicional dia da mentira, o jornal Folha de S.Paulo enumerou diversas mentiras ou “declarações factualmente erradas” contadas pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido-RJ).

As frases vão desde abril de 2019, quando afirmou, após deixar o Museu do Holocausto, em Israel, que o nazismo foi um movimento de esquerda, até algumas ditas recentemente, durante a crise do coronavírus.

Neste caso, a variedade de frases imprecisas de Bolsonaro e enorme. Uma delas é que, com seu passado de atleta, estaria imune à doença, apesar de ter 65 anos e integrar o grupo de risco.

Veja mais: Instituto Arco Íris: solidariedade com os mais vulneráveis nesses tempos de pandemia

A origem

O Dia da Mentira, de acordo com o Wikipédia, é uma celebração anual em alguns países europeus e ocidentais, comemorada em 1 de abril. Entre as várias teorias sobre o seu surgimento, uma delas diz que a brincadeira surgiu na França. Desde o começo do século XVI, o Ano Novo era festejado no dia 25 de março, data que marcava a chegada da primavera. As festas duravam uma semana e terminavam no dia 1 de abril.

Em 1564, depois da adoção do calendário gregoriano, o rei Carlos IX de França determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1 de janeiro. Alguns franceses resistiram à mudança e continuaram a seguir o calendário antigo, pelo qual o ano se iniciaria a 1 de abril. Gozadores passaram então a ridicularizá-los, a enviar presentes esquisitos e convites para festas que não existiam. Essas brincadeiras ficaram conhecidas como plaisanteries.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.