Polícia invade Escola Nacional Florestan Fernandes sem mandado de busca e apreensão

Em 3 estados do país, prisões arbitrárias e invasões sem mandado de busca e apreensão mostram como o Governo Temer vai perseguir e criminalizar movimentos sociais nos próximos anos.

Na manhã desta sexta-feira (04) cerca de 10 viaturas da polícia civil e militar invadiram a Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF) em Guararema, São Paulo.

Na manhã de hoje, 04 a polícia entrou na ENFF realizando prisões arbitrárias, sem mandato de busca e apreensão.
Na manhã de hoje, 04 a polícia entrou na ENFF realizando prisões arbitrárias, sem mandato de busca e apreensão

A Escola Nacional Florestan Fernandes é tida como um marco nas conquistas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e reúne em um mesmo espaço cursos de formação para integrantes do MST e de outros setores e entidades ligados ao campo e às lutas sociais.

Bala recolhida após a ação da polícia
Bala recolhida após a ação da polícia

De acordo os relatos de militantes que estão no local, os policiais chegaram por volta das 09h25, fecharam o portão da Escola e pularam a janela da recepção dando tiros para o ar. Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra recolheram os estilhaços no local e comprovaram ser provenientes de balas letais.

Neste momento a polícia está em frente à ENFF aguardando um mandato de prisão.

O MST divulgou nota oficial repudiando a ação e exigindo respostas do governo.

O MST repudia a ação da policia de São Paulo e exige que o governo tome as medidas cabíveis nesse processo. Somos um movimento que luta pela democratização do acesso a terra no país e a ação descabida da polícia fere direitos constitucionais e democráticos.

Polícia Civil invade Escola Nacional Florestam Fernandes de forma violenta. Em meio a crianças atiram balas de verdade (não são de borracha) contra os trabalhadores e estudantes da escola que não apresentavam qualquer ameaça. Quem criminalizar nossos movimentos porque sabem a força que têm!

A operação no estado de São Paulo decorre de ações deflagradas nos estados do Paraná e Mato Grosso do Sul. A Polícia Civil executa mandatos de prisão contra militantes do MST, reeditando a tese de que movimentos sociais são organizações criminosas, já repudiado por diversas organizações de Direitos Humanos e até mesmo por sentenças do STJ.

Nas redes sociais outros movimentos se solidarizam e prestam solidariedade.

Movimentos sociais se posicionam em solidariedade ao MST nas redes sociais.
Movimentos sociais se posicionam em solidariedade ao MST nas redes sociais

Fonte: Mídia Ninja.

Você precisa estar logado para postar um comentário Login