PM Juh morreu duas vezes: nas mãos dos assassinos e da imprensa

Foto: Reprodução

Por Tatiana Dias, Nayara Felizardo e Cecília Olliveira.

Juh Duarte – ou Juliane dos Santos Duarte, ou mesmo Dudu Duarte, como se apresentava em algumas ocasiões, segundo relatos – era Policial Militar. Foi brutalmente assassinada na semana passada em São Paulo. Ela desapareceu na favela de Paraisópolis, zona sul da cidade, e seu corpo foi encontrado quatro dias depois. Entrou para as estatísticas de policiais mortos – desde 2007 foram 680 no estado, a maioria fora de serviço – e também para a história do jornalismo, em um exemplo brutal da falta de sensibilidade do que chamam de ~isenção jornalística.

Nesta quinta, a Folha de S. Paulo publicou um texto narrando os “últimos momentos” da PM, dando atenção especial à sua orientação sexual, atributos físicos de sua companheira, possível traição e detalhes sobre uma noite de diversão na favela que precederam sua morte. O texto, escrito por um homem, romantiza a relação de Duarte com suas amigas em uma noite de sábado e usa como fonte o Boletim de Ocorrência. Em outras palavras: transforma o BO de um crime brutal em um conto erótico de quinta categoria.

Mas o texto só narrou os fatos e o que diz o BO, você pode argumentar. É, é uma defesa possível. O texto romantizou os relatos do Boletim de Ocorrência e o transformou em uma história palatável, pronta para ser empacotada e consumida por uma sociedade que adora cultivar seus próprios preconceitos e fetiches – especialmente se eles envolvem mulheres lésbicas, ou pessoas transexuais, ou [inclua aqui qualquer outro tabu sexual].

Fingindo que o jornalista não é uma pessoa – com suas próprias visões de mundo, posicionamentos, vontades e dores –, os veículos usam o escudo de “apenas narrar os fatos” para se eximir da ideia de que há sim escolhas pessoais ou não dentro de uma reportagem.

A escolha da pauta – por que vamos falar desse tema e não deste outro? – já é um posicionamento. O ângulo através do qual a história será contada também. No caso do texto que romantiza “os últimos momentos da PM”, a escolha foi sexualizar as vítimas, vistas por um olhar masculino louco por detalhes da história. Basta ler com atenção as cenas descritas no bar. A maneira como o texto é escrito, a narrativa, é também um posicionamento. E, por fim, o título. É nele que a maioria dos leitores para de ler, que passa a mensagem que circula primordialmente. Dizer que ela teve últimos momentos livres com bebida, beijos e dança foi a escolha mais desrespeitosa possível ao tratar de uma policial militar morta brutalmente e que tinha direito de se divertir como bem entendesse em seus momentos de folga.

O texto em questão, que não vamos linkar para não expor a vítima mais uma vez, não foi apenas a narração dos fatos de forma fria. Foto: Reprodução/Folha de S.Paulo

Expor uma mulher que está na condição de vítima já é algo corriqueiro na imprensa e em posts de machistas nas redes sociais. E, quando ela é também lésbica (ou quando é um homem trans), pelo jeito, fica mais fácil agir com desrespeito. No texto da Folha, Juliane, Juh ou Dudu (as maneiras como se apresentava, segundo relatos de amigos publicados pela mídia) é reduzida a uma lésbica, pegadora, que se arrisca e canta de galo no bar da favela. É uma versão da frase “mas, também…”, usada sem pudor para culpar mulheres vítimas de violência.

Nas entrelinhas, o título do texto diz “olha como era promíscua!”. Uma característica geralmente associada aos gays, às lésbicas, aos bissexuais, às travestis e aos transexuais. Basta ver os comentários relacionados à postagem do jornal para ver que a intenção, se foi essa, foi bem-sucedida. Se não foi, é consequência de uma postura irresponsável.

No caso da PM, repete-se a lógica de matar pela segunda vez, mas agora de forma simbólica. Criminosos torturaram e mataram Juliane (ou Dudu). Atiraram em seu corpo. A Folha invadiu a sua intimidade sem que isso tivesse qualquer relevância jornalística. Atirou na sua honra, ferindo a imagem de quem nem pode mais falar por si.

O assassinato da PM é – ou deveria ser – uma notícia para levantar discussões sobre mortes de policiais militares (que, ao contrário do que tentam dizer, é uma pauta fundamental para a defesa de direitos humanos), sobre violência contra LGBTs e pessoas negras. Não sobre sua intimidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.