Os (des)caminhos do Meio Ambiente – Carlos Walter Porto Gonçalves

O livro, Os (des)caminhos do Meio Ambiente, de Carlos W. Porto Gonçalves, aborda uma reflexão sociológica e epistemológica: as relações entre ser humano, desenvolvimento e natureza. O autor discute de modo crítico e holístico a problemática social, o contexto histórico-cultural das lutas sociais e ecológicas que estimularam o surgimento do movimento ecológico.

“Uma das principais questões sobre o pensamento ecológico, tem sido em relação com o tratamento dado pelo homem ao meio ambiente”

A obra faz uma análise de como a sociedade ocidental construiu o seu conceito de natureza, trajado por pensamentos filosóficos e práticas sociais, que ao longo do tempo instituíram o nosso mundo. Importante destacar que a moderna sociedade ocidental deve ser historizada e nos referimos a uma sociedade capitalista.
O autor trata sobre o desenvolvimento humano, desde o início do conceito biológico de população, que se deu após a publicação em 1859 da obra de Charles Darwin A origem das espécies, onde ele demonstra o que até então não tinha explicação em termos científicos, que a evolução das espécies é um fenômeno natural.

Mesmo sem ter sido a vontade inicial explícita de Darwin, sua obra acabou sendo um ataque central contra as visões teológicas dominantes na Igreja católica de Roma, mas também deu a base paradoxalmente, para a formação do pensamento Darwin-malthusiano que constitui a fonte liberal-conservadora que ainda domina a biologia, a geografia e o movimento ecológico, pois a obra de Darwin trouxe um grande alento para o imaginário dos racionalistas-iluministas do séc. XIX. A observação que poderíamos fazer é que Porto Gonçalves entende que essa visão de Darwin seria o único desdobramento possível do que da teoria.

O enfoque histórico cultural do livro, coloca o movimento ecológico como produto da relação natureza e sociedade, fundamentado como um movimento de caráter político-cultural, onde cada povo constrói seu conceito de natureza, estabelecendo ao mesmo tempo que institui suas relações sociais.

E real que durante sua viagem, Darwin leu o livro Ensaio sobre os princípios da população, de Robert Malthus, um pastor anglicano inglês, economista, que elaborou a teoria de que havia uma tendência para o crescimento da população ser maior que a do crescimento da disponibilidade de alimentos e concluía que a escassez por sua vez, acabava por provocar epidemias que dizimavam o excedente populacional, repondo o equilíbrio do sistema. Sua resposta era moral, casamentos tardios, castidade e demais. E Friedrich Engels em seu Esboço sobre Economia Política quem realiza uma crítica materialista histórica a Malthus afirmando de forma sintética que a teoria da população malthusiana é a expressão econômica de seu dogma religioso no que tange a relação entre espírito e natureza e a corrupção resultante de ambos. A tentativa é de fundir a teologia protestante com os interesses da sociedade burguesa.

A partir desta articulação a Teoria Neomalthusiana, atentou para o crescimento populacional de países subdesenvolvidos, tal crescimento provocaria a diminuição dos recursos naturais, ocasionando, por sua vez, uma escassez de alimentos, além do agravamento da pobreza e do desemprego. Importante destacar que o pensamento de Darwin migrou de um campo político-moral para a biologia.

“Conforme avançamos enquanto sociedade, o homem está destruindo a natureza” Karl Marx, a partir do estudo sistemático da obra do químico agrícola alemão Justus von Liebig, partindo de sua crítica ao malthusianismo que elabora seu conceito de “falha metabólica” se referendo a relação do homem com a natureza segundo John Bellamy Foster.

O autor avalia que tanto a biologia, a ecologia e a geografia têm tratado o homem exclusivamente como espécie biológica, sem levar em consideração a especificidade e a complexidade desse animal-homem”.

Esta análise é bem pertinente, pois mostra um aspecto importante em termos epistemológicos, que essas disciplinas se encontram prisioneiras no conceito de população, que nada mais tem a ver com a ideia de povo, inspirada nas preocupações de controle, qualidade, de medida, de informação.

Dessa forma, o conceito de população foi perdendo gradualmente a sua qualidade de povo e se transformando num conceito genérico, matemático e estatístico. Importante acrescentar que povo é um conceito rousseauniano pré-marxista e que foi Marx quem dividiu o povo em classes e frações de classe.

No chamado mundo ocidental, o nosso dia a dia está repleto de convencionalismo que colocam a cultura contra a natureza, o que deveria ser o contrário, pois ela é um dos pilares pelo qual os homens criam suas relações sociais, sua produção material, enfim sua cultura.

“Estávamos acostumados à ideia de que nossa fisiologia, nossa anatomia descende da dos primatas. Deveríamos habituar-nos à ideia de que o mesmo acontece com o nosso corpo social” por isso é tão importante entender de forma não mecanicista o desenvolvimento das sociedades e os processos de mudança social.
Como o próprio autor coloca “não existem palavras naturais para falar de natureza, as palavras são criadas e instituídas em contextos sociais específicos e também por esse modo o conceito de natureza não é natural…”

Já o conceito de ecossistema vem a ser algo menos ambíguo que o de natureza, porque ele compreende tanto meio físico como as interações entre os seres que o habitam, sendo assim só existe por conta destas interações.

Agora no século XXI, a tradicional dicotomia homem-natureza que conformou o saber na sociedade ocidental volta a ser questionada. A questão ambiental parece exigir um novo paradigma onde a natureza e cultura não caiam uma fora da outra.

“O papel da evolução biológica na evolução social e cultural do homem é muito maior do que se pensava”

O fato de as sociedades humanas desenvolverem ao longo do tempo um patrimônio de saber sem o qual o indivíduo no interior de uma sociedade-cultura não consegue viver, não quer dizer que os homens “saltaram” da natureza para a cultura.

A sociedade moderna teima em ignorar que a cultura não exclui a natureza, mas que se desenvolve no interior dela, realizando novas sínteses de matéria e energia novas formas de mediação entre o homem e o seu outro orgânico-inorgânico. Entre a cabeça que pensa e o mundo que está à nossa frente, o corpo que é o que cada um de nós tem para estar no mundo. E o corpo não admite a separação entre o homem e a natureza: ele comporta os dois indissociavelmente. Esse corpo não só é descendente fisiológico dos primatas, mas se descobriu sob novas formas, um meio de socialização que neles já estava presente.

Para mudar a relação homem-natureza é preciso, um planejamento democrático, anticapitalista e socialista, é preciso entender a complexidade cultural desenvolvida sob condições ecológicas novas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.