O reproche à exposição “Cu é lindo” e o conservadorismo atual

Foto: Divulgação/exposição.

Por Elissandro Santana, para Desacato. info.

Nas comunidades e redes sociais das quais faço parte, nos últimos dias, uma notícia desestabilizou a “paz” das pessoas sob a égide da reação, a Exposição “Cu é lindo”, da Mostra Devires.

No discurso de vários membros de umas 8 comunidades nas quais interatuo, com frequência, destacou-se a argumentação, pouco eficiente, de que o Governo do Estado da Bahia, em especial, a Secretaria de Cultura, não poderia brincar com os impostos dos baianos na aprovação de uma arte “obscena”.

Em cartaz, no Instituto Goethe, na capital baiana, até o dia 12 de agosto, a exposição tem provocado e proporcionado diversas reflexões nas mídias digitais e redes sociais no estado e em todo o país.

A reação negativa à mostra artística é deveras preocupante, pois isso nos leva a pensar que o brasileiro, realmente, se perdeu no tempo e no espaço, esquecendo-se de quais seriam as causas que deveriam ser combatidas no momento – a corrupção, a opressão, o preconceito e toda e qualquer exploração que impede o baiano e o brasileiro de visualizarem esperança e alegria no futuro.

O ânus, como parte do corpo, não deveria ser motivo para reproche. Além disso, faço questão de mencionar que se a mesma ojeriza contra o Cu tivesse se materializada na ação contra o aumento dos combustíveis que levou milhões de brasileiros às filas quilométricas dos postos com selfs e risos, contra o golpe e destituição de uma presidenta eleita de forma democrática e, principalmente, contra os abusos de poder em várias esperas, nos quatro poderes, no executivo, no legislativo, no judiciário e na mídia empresarial golpista, até pararia para ouvir os reclames e argumentos contra o Cu é lindo, ainda que com críticas à aversão dos retrógrados ancorados no medo do reconhecimento de que o possuem.

O cu como arte pode ser mais que importante, é um campo para reflexão e deleite artístico. Sem contar que a arte nunca estará presa à estética do possível. Ela comporta o infinito, ultrapassando os limites das normatizações padronizantes e padronizadoras. Ela mostra que outras narrativas são viáveis brincando conosco e fazendo com que brinquemos com/no mundo. Ademais, a arte, independente do meio pelo qual se vale para produzir em nós a catarse, não deveria nos assustar. Ao contrário, deveria nos levar ao espanto, ao autoconhecimento de nossas limitações de pensamento e de práxis.

E quando penso nos argumentos que estão usando para desqualificar a exposição artística acerca da desnaturalização das relações entre sexo, gênero, visualidade, raça e poder a partir da proposta de Kleper Reis, sou levado, gravitacionalmente, a pensar que toda pessoa deveria conhecer, em profundidade o que é arte, sem censurá-la, antes de sair por aí dando uma de analista.

Por fim, diante do quadro perigoso de análise reacionária não somente em relação a esta exposição, mas a qualquer questão-tabu, todo brasileirinho deveria conhecer o que Deleuze in Guattari, na obra “O que é filosofia” para entender o medo de alguns sobre os não limites impostos por um objeto artístico tão filosófico quanto o cu: pedimos somente um pouco de ordem para nos proteger do caos. Nada é mais doloroso, mais angustiante do que um pensamento que escapa a si mesmo, ideias que fogem, que desaparecem apenas esboçadas, já corroídas pelo esquecimento ou precipitadas em outras, que também não dominamos. São variabilidades infinitas cuja desaparição e aparição coincidem. São velocidades infinitas, que se confundem com a imobilidade do nada incolor e silencioso que percorrem, sem natureza nem pensamento. É o instante que não sabemos se é longo demais ou curto demais para o tempo. Recebemos chicotadas que latem como artérias. Perdemos sem cessar nossas ideias. E por isso que queremos tanto agarrarmo-nos a opiniões prontas. Pedimos somente que nossas ideias se encadeiem segundo um mínimo de regras constantes, e a associação de ideias jamais teve outro sentido: fornecer-nos regras protetoras, semelhança, ontiguidade, causalidade, que nos permitem colocar um pouco de ordem nas ideias, passar de uma a outra segundo uma ordem do espaço e do tempo, impedindo nossa “fantasia” (o delírio, a loucura) de percorrer o universo no instante, para engendrar nele cavalos alados e dragões de fogo. Mas não haveria nem um pouco de ordem nas ideias, se não houvesse também nas coisas ou estados de coisas, como um anti-caos objetivo: “Se o cinábrio fosse ora vermelho, ora preto, ora leve, ora pesado […], minha imaginação não encontraria a ocasião para receber, no pensamento, o pesado cinábrio com a representação da cor vermelha.” E, enfim, para que haja acordo entre coisas e pensamento, é preciso que a sensação se reproduza, como a garantia ou o testemunho de seu acordo, a sensação de pesado cada vez que tomamos o cinábrio na mão, a de vermelho cada vez que o vemos, com nossos órgãos do corpo, que não percebem o presente, sem lhe impor uma conformidade com o passado. É tudo isso que pedimos para formar uma opinião, como uma espécie de “guarda-sol” que nos protege do caos.

No mais, resta-me dizer que nem todos condenam a referida exposição e isso sim é motivo para esperança. Por último, cabe-me externar, sem medo de ataques, que toda reação sem causa à exposição só demonstra que as pessoas precisam compreender, com urgência, que a arte não encontraria limites no ânus e nem em nenhuma outra parte de nosso corpo.

Como diz minha amiga Elaine Amaral, as pessoas não olham para os próprios orifícios e, quando têm a oportunidade de refletirem sobre, se assombram com o cu alheio. Mas é isso, um dos papéis do artista, da arte em si, é a eterna provocação.

_

Elissandro Santana é professor da Faculdade Nossa Senhora de Lourdes e do Evolução Centro Educacional, membro do Grupo de Estudos da Teoria da Dependência – GETD, coordenado pela Professora Doutora Luisa Maria Nunes de Moura e Silva, revisor da Revista Latinoamérica, membro do Conselho Editorial da Revista Letrando, colunista da área socioambiental, latino-americanicista e tradutor do Portal Desacato.

6 COMENTÁRIOS

  1. Olá, venho agradecer pelas palavras articuladas no texto. Difícil traduzir os sentimentos que senti em ler. Muito importante! Excelente reflexão!

    • Caro poeta, tua obra é libertária e um artigo é pouco para descrevê-la!
      Eu, como colunista/tradutor do Desacato e professor da Faculdade Nossa Senhora de Lourdes, me senti imbuído da missão de discorrer sobre tua produção tão provocadora!
      Nós somos gratos por tua coragem, ousadia e talento!

  2. Super texto!
    As pessoas não olham para seus próprios Cú e quando tem a oportunidade de refletir sobre, se assombram com o Cú alheio. Mas é isso, o papel do artista, da arte em si, é a provocação.

  3. Kleiber Reis, teu nome se parece com o nome que assina a exposição. Se for, o parabenizo pela provocação artística. Este país precisa mergulhar em artes libertadoras e deixar a colonialidade mental no passado!
    Querendo, meu caro, pode entrar em contato comigo através do e-mail [email protected] para trocarmos ideias e abrirmos a oportunidade de uma entrevista escrita para este periódico.

    Abraços!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.