Letrux está no auge – e aos prantos

Em ‘Letrux Aos Prantos’, seu segundo disco, Letrux aproveita o refino estético para compor um álbum de temática atual, reforçando que a artista está em seu auge.

Letícia Novaes está no auge, é o que comprova seu novo disco, ‘Letrux Aos Prantos’. Imagem: Ana Alexandrino / Divulgação.

Por Alejandro Mercado.

Letícia Novaes parece estar no seu auge. Ainda assim, a cantora chora. Há, no entanto um confronto encarado como natural. “Ou a gente chora ou a gente sua”, canta em “Déjà-Vu Frenesi”, faixa que abre Letrux Aos Prantos, seu segundo disco de inéditas, lançado neste mês de março.

Talvez o álbum possa ser entendido como um anticlímax (com o perdão do trocadilho) do aclamado Letrux em Noite de Climão. Enquanto sua estreia solo era uma catarse na pista, Letrux Aos Prantos leva o efeito catártico para a cama. Porém, engana-se quem pensa que o registro dedica-se à fossa. Há um cinismo latente escondido nas composições, escritas entre 2018 e 2019. Se não há espaço necessariamente à melancolia, Letícia leva o ouvinte para uma espécie de ressaca amorosa, como bem definiu Mauro Ferreira (G1).

A diferença é que essa ressaca é muito mais suntuosa que o próprio baile do qual ela é resultante, uma espécie de lisergia na qual estamos todos mergulhados. “Eu estou aos prantos, quem não?”, aponta. E se há uma imagem que melhor reflete os tempos sombrios que vivemos – anterior ao coronavírus e que tem o obscurantismo no poder como consequência – é a prostração que a cantora apresenta em “Vai Brotar”.

Letrux Aos Prantos é um álbum atual, pois nos pega em um momento de fragilidade, nos evoca uma reflexão nestes instantes de tantas transições.

Novaes afirma que ficamos cínicos com o tempo. Ou terá sido ela? Afinal, a obra é fruto de um retorno da artista à análise, como contou em entrevistas. Seria um jogo de espelhos? Seria esse disco mais denso, soturno e de estética e sonoridade mais retrospectivas o despertar de um pesadelo, ainda que metafórico? Se o delírio é coletivo, a expurgação de fantasmas também pode ser comunitária.

Tudo é simbologia nesse tarô musical de Letrux, que é Letícia, que é todo mundo ao mesmo tempo que é apenas ela, numa sequência de encontros e desencontros, de haver desejo sem haver busca (“El dia que no me quieras”). Pode ser esse esparramar numa cama bagunçada, de lençóis sujos de maquiagem, suor, gozo. Pode ser o fato de que “não sobra nada pra guardar” (“Contando Até Que”).

Letrux Aos Prantos é um álbum atual, pois nos pega em um momento de fragilidade, nos evoca uma reflexão nestes instantes de tantas transições. Isso reforça toda e qualquer simbologia que Letícia Novaes tenha criado para o registro, ao passo que amplifica essa depuração musical.

Aos Prantos e Noite de Climão não são antagônicos. Tampouco são extensões. São empreendimentos independentes, retratos específicos de etapas da vida da artista, que também são a maneira que o ambiente impacta sua forma de fazer música. Por isso, não é exagero afirmar que Letrux está no auge, capaz de criar canções distintas que ecoem de modo específico para o tempo em que foram lançados.

Suponho, então, que estejamos todos, sem exceção, nesse vai e vem emocional, tão bem representado pelas diferenças dos argumentos de um LP e outro. Aproveitemos, pois, esse pranto artístico, na espera de onte Letrux nos levará para viver uma outra catarse.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.