Jovens negros do Nordeste têm 4,3 mais chances de serem assassinados

Por Amanda Stabile.

Em Alagoas, um jovem negro de 15 a 29 anos tem 12,7 mais chances de ser assassinado do que um branco da mesma faixa etária. No extremo oposto, está o Paraná, onde um jovem negro tem menos chance (0,8) de ser morto do que um branco na mesma idade.

Os dados fazem parte do 2ª edição do Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência (IVJ), uma iniciativa de Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) e Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado no último dia 11. A pesquisa toma por base dados de 2015 e aponta que, em todo o Brasil, a taxa de risco relativo aumentou 0,2 comparado à edição de 2014.

O relatório aborda fatores considerados chave na determinação da vulnerabilidade dos jovens à violência, como taxa de frequência à escola, escolaridade, inserção no mercado de trabalho, taxa de mortalidade por homicídio e por acidentes de trânsito. O objetivo é usar essas informações para a formulação de ações governamentais mais efetivas.

Entre os principais resultados apresentados no IVJ 2017, que considera municípios com mais de 100 mil habitantes, está o de que a violência atinge especialmente jovens negros do sexo masculino, moradores das periferias e áreas metropolitanas dos centros urbanos.

Dados do Atlas da Violência 2017 (IPEA, FBSP), mencionados no estudo, mostram que mais da metade das 59.080 pessoas mortas por homicídio em 2015 eram jovens (31.264, equivalentes a 54,1%), das quais 71% eram negras (pretas e pardas) e 92% do sexo masculino. Entre os jovens brasileiros de 15 a 29 anos, a chance de um jovem negro ser assassinado é quase três vezes (2,7) superior a de um branco na mesma faixa etária.

As maiores taxas de mortalidade se concentram na região Nordeste, que apresenta também os maiores riscos relativos, ou seja, a maior proporção de jovens negros vítimas de homicídio quando comparado com a mortalidade de jovens brancos.

Dos doze estados brasileiros classificados como de alta vulnerabilidade para jovens, quatro se localizam na região Norte e oito na região Nordeste.

Dentre os estados com baixa vulnerabilidade estão dois da região Sudeste, dois da região Sul e dois da região Centro-Oeste: São Paulo e Minas Gerais; Santa Catarina e Rio Grande do Sul; e Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. São Paulo e Santa Catarina empatam com os melhores índices. O relatório chama atenção para o fato de nenhum dos estados do Norte ou do Nordeste aparecerem na faixa de menor vulnerabilidade.

Na região Nordeste, a taxa de mortalidade por homicídio para negros é 4,3 vezes superior à de brancos, a maior do país seguido pela região Norte (3,4). Em contraste, o Sul apresenta o menor número de desigualdade racial no indicador de homicídios. A diferença entre essa taxa na região é de apenas 5,4 pontos, enquanto a do Nordeste chega a 88,6, número 16,4 vezes superior. Segundo a pesquisa, essas estatísticas se repetem em 24 estados do país. Apenas no Paraná a taxa de homicídios de jovens brancos supera a de negros.

Além da classificação dos estados, o relatório também mostra o índice de vulnerabilidade juvenil à violência nos municípios. Neste ranking, que considera as cidades com número de habitantes superior a 100 mil, o município com maior vulnerabilidade é Cabo de Santo Agostinho (PE), seguido por Altamira (PA). As quatro cidades com melhores índices se encontram em São Paulo: São Caetano do Sul, Itatiba, Indaiatuba e Mogi Guaçu.

Gênero

Uma inovação feita nesta segunda edição do IVJ é o recorte de gênero. As jovens negras, de acordo com o relatório, sofrem com uma taxa de homicídio 2 vezes maior do que as brancas no Brasil. O relatório ainda traz um apontamento do Atlas da Violência 2017 (IPEA, FBSP), que mostra que, entre 2005 e 2015, houve o aumento de 22% na taxa de homicídios de mulheres negras e a diminuição de 7,4% nos homicídios de brancas.

Embora para brancas o índice tenha diminuído e seja menor do que para as negras, as taxas de violência letal contra elas permanecem altas em todos os estados, com exceção de Roraima, onde não ocorreram registros de morte de brancas na faixa etária pesquisada em 2015.

Já o estado onde mais jovens negras morrem por agressão é Goiás, com o índice de 13,8. Em comparação, o estado com a menor taxa é São Paulo com 3,2. O Rio Grande do Norte tem a maior disparidade na taxa de mortalidade entre jovens negras e brancas, sendo a das negras mais de 8 vezes superior, enquanto no Maranhão a diferença é de apenas 0,5.

Fonte: Ponte

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.