Famílias Sem Terra resistem a despejo no Nordeste da Bahia

Em menos de um mês, acampamento Belo Monte, no Nordeste do estado, é a 4º área notificada com uma liminar de despejo

Famílias resistem ao despejo mobilizadas em frente ao acampamento Belo Monte. Foto: Divulgação MST

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia.

Na quinta-feira (5), o acampamento Belo Monte, localizado entre as cidades de Jeremoabo e Canudos na região Nordeste da Bahia, sofre com a invasão de viaturas da polícia militar com o objetivo de despejar as 220 famílias Sem Terra que residem na área. A liminar foi entregue no último dia 05 de novembro e, desde então, diversas ações foram realizadas pelo MST em denúncia à decisão judicial.

Contra a tentativa de despejo houve a doação de alimentos no último sábado (30/11), no Centro da cidade, com o objetivo de dialogar com a sociedade e apresentar os frutos da luta pela terra na região. Na ocasião, mais de 15 mil quilos de alimentos foram entregues à população e ao asilo Vicentino, também localizado na cidade, que recebeu mais de oito mil quilos.

A doação de alimentos mobilizou os moradores de Jeremoabo, que logo em seguida, realizaram uma grande manifestação de denúncia. A ação aconteceu nesta última terça-feira (3/12), em frente ao Fórum Doutor Jonas de Carvalho Nunes.

A área tem apenas um ano e sete meses de existência e já produz mais de 20 mil quilos de alimentos por semana.

A produção de alimentos das famílias Sem Terra influencia diretamente a economia da cidade e segundo o MST na região esse processo tem gerado emprego para mais de mil famílias, “dando uma vida digna para a população”.

Governo da Bahia negligência despejos

O governador Rui Costa (PT) negligencia esta e as outras quatro ameaças de despejos que estão vigentes em toda Bahia. Nestes últimos dois meses, cerca de 700 famílias foram despejadas no estado, aumentando o número de desempregados e dificultando o acesso à terra enquanto direito.

“Estamos sendo vítimas da arbitrariedade e desumanidade das ações do governo”, denuncia Antônio Marcos de Jesus, da direção estadual do MST.

E continua: “Ruy Costa foi eleito com o discurso de sempre estar a favor do povo, de contribuir com as causas sociais e fortalecer a cultura e o trabalho do povo do campo. Mas nesses últimos dias temos visto um conjunto de medidas contra o povo do campo, em especial às pessoas do Sem Terra, que estão acampadas e assentadas, que sonham em fazer reforma agrária e que vêm colocando na mesa da população baiana alimentos de qualidade”, finalizou.

Frente aos retrocessos apresentados pelo Governo, como destaca a direção do MST na região, os desafios de resistir e lutar estão apontados.

Pistolagem é crime! Lutar pela terra é um direito!

Há mais ou menos um mês, o acampamento Belo Monte foi invadido por pistoleiro fortemente armados. Durante o ocorrido, as famílias foram alvejadas por tiros de pistola, escopeta e foi entregue um falso documento de reintegração de posse.

Neste exato momento, as famílias seguem organizadas e mobilizadas contra a invasão da polícia.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.