Decisão do TJ-RJ trava investigações envolvendo Flávio Bolsonaro

MP-RJ encontra obstáculos para concluir investigação por lavagem de dinheiro e peculato no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro, por conta de decisão do TJ-RJ, expedida em janeiro, que paralisa investigação sobre o empresário Alexandre Ferreira Dias Santini, sócio de Flávio na loja da franquia Koppenhagen

Foto: Mateus Bonomi / AGIF

Segundo reportagem publicada nesta segunda-feira (2) pelo jornal O Globo, membros do Ministério Público do Rio (MP-RJ) encontraram obstáculos para concluir investigações por lavagem de dinheiro e peculato (desvio de recursos públicos) no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro, em uma decisão de caráter provisório, expedida na segunda metade do mês de janeiro deste ano. 

O desembargador da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), Antônio Carlos Nascimento Amado, determinou em janeiro a paralisação da investigação sobre o empresário Alexandre Ferreira Dias Santini, através de uma liminar. No entanto, decisão não interrompe toda a investigação contra o filho mais velho do Inquilino do Palácio do Planalto.

A sociedade de Flávio com Santini é considerada pelos investigadores uma peça importante do caso, sobretudo na apuração sobre lavagem de dinheiro. Segundo os promotores, a loja foi usada por Flávio para lavar cerca de R$ 1,6 milhão em dinheiro vivo. Por conta da decisão, se o MP decidir apresentar denúncia contra o senador não poderá incluir seu sócio enquanto a liminar estiver em vigor — o que, na avaliação de pessoas próximas à investigação, enfraqueceria parte da tese de lavagem de dinheiro.

Santini é sócio de Flávio Bolsonaro (Sem partido), na loja da franquia Koppenhagen de chocolates, da empresa Bolsotini Chocolates e Café, em um shopping na Zona Oeste da capital fluminense.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.