Damares pede aliança na ONU contra gays, feministas e imigrantes que “ameaçam” a “família tradicional”

Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil

Jornal GGN – O “Ocidente” está em perigo: corre o risco de ver seu perfil “branco” e “cristão” se dissolver em meio à onda migratória. E a solução é incentivar as famílias (leia-se: a união entre homem e mulher) a resgatar os “valores tradicionais”, respeitar as “leis de Deus” e gerar mais filhos, três ou quatro, pelo menos. É isso o que Damares Alves e outros líderes mundiais foram pregar na ONU, no início de setembro.

O jornalista Jamil Chade revelou no UOL deste sábado (21) o resultado de mais de 30 intervenções que ele assistiu durante a Cúpula da Demografia da ONU. Foi lá que a ministra das Mulheres, Família e Direitos Humanos de Bolsonaro convocou uma aliança internacional para “resgatar os valores tradicionais” e tratar homossexuais, feministas e imigrantes como “ameaças” à família branca e cristã.

Faça como os apoios instutucionais da Apufsc Sindical, Fecesc, Editora Insular, Sinergia, Sintram/SJ, Sintrasem e Sinte e apoie a realização do Quarenta você também. Para contribuições individuais, clique em https://www.catarse.me/quarenta.

Segundo Chade, o “mantra” da Cúpula era “sem famílias não há nação nem identidade”, e um dos palestrantes dos dois dias de Cúpula chegou a questionar se a mulher deve ter o direito de definir quantos filhos uma família vai ter.

Outro defendeu que a mídia deve ser usada como veículo propagador do modelo ideal de família: homem, mulher, filhos. Não importa se isso será considerado “politicamente incorreto”.

Viktor Orbán, o líder ultraconservador da Hungria, defendeu expressamente que a Europa precisa gerar mais europeus no futuro, caso contrário haverá misturas e os “europeus serão substituídos por outros.” Ele defendeu mudar constituições para definir que família é homem e mulher, e proibir que cortes judiciais tomem decisões em sentido contrário.

Da parte dos Estados Unidos, os representantes criticaram resoluções de saúde da ONU que defendem os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, bem como educação sexual. Há países que culpam isso pela redução das famílias. A revolução sexual e o empoderamento das mulheres “enfraqueceu” a instituição casamento e comprometeu a geração de europeus para fazer frente à chegada dos imigrantes.

De acordo com Chade, ao final do evento, Damares afirmou que o Brasil sob Bolsonaro está disposto a liderar um bloco “pró-família” para tirar todos os planos conservadores do papel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.