Cuba não afetará sua soberania para se aproximar dos EUA, diz Raúl

“Cuba e Estados Unidos podem cooperar e conviver civilizadamente, respeitando as diferenças e promovendo tudo aquilo que beneficie ambos os países e povos”, declarou o presidente cubano. “Mas não se deve esperar que para isso Cuba realize concessões inerentes a sua soberania e independência”, destacou. Em dezembro de 2014, os governos do ex-presidente Obama e de Raúl Castro restabeleceram as relações diplomáticas entre Cuba e EUA, abriram embaixadas nas respectivas capitais e retomaram os voos comerciais diretos entre os dois países. No entanto, o bloqueio econômico e financeiro contra a ilha que dura mais de 50 anos não foi removido. Este, inclusive, foi um dos principais temas debatidos durante a Cúpula.

“Seria desejável que o novo governo dos Estados Unidos opte pelo respeito à região, ainda que seja preocupante que tenha declarado intenções que colocam em risco nossos interesses nas esferas de comércio, emprego, migração e meio ambiente”, disse Raúl.
Para fazer frente a isso, é “imprescindível” fortalecer a Celac, afirmou o cubano. “Um retorno do neoliberalismo aumentaria a pobreza e o desemprego, agravando assim as condições sociais em América Latina e Caribe”, acrescentou.

O presidente cubano também reiterou seu rechaço ao “golpe de Estado parlamentar-judicial perpetrado no Brasil contra a presidenta Dilma Rousseff” e expressou sua solidariedade à ex-mandatária e ao ex-presidente Lula.

Fonte: Portal Vermelho. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.