Canções para a América Latina: Sabor e Revolução!

Canções para a América Latina: Sabor e Revolução!

Por Tiago Santos.

A Venezuela e Brasil sofrem golpes e ataques económicos e políticos orquestrados pelos milionários e oligarcas da região com o apoio, patrocínio e supervisão do poderoso vizinho do Norte.

Na América Latina de hoje, onde na Venezuela os mesmos que tentaram o golpe militar contra Cháavez, em 1992, incitam o povo à violência nas ruas, ao saque e destruição, a luta pelos progressos sociais e contra a ingerência externa faz-se com o reforço da participação popular e da consciência política de que a democracia privada da sua dimensão de direitos de conteúdo social, político, económicos e cultural não é uma democracia para todos.

A ofensiva do neo-liberalismo para recuperar o campo perdido nos últimos anos tem por cá, como não podia deixar de ser, o apoio despudorado da imprensa dominante, com os órgãos de rádio difusão e televisão públicos a disputar o protagonismo na campanha de desinformação e manipulação.

E, no entanto, todos os dias na América Latina, sindicalistas, indígenas, agricultores e trabalhadores sem-terra, continuam ainda hoje, como nas décadas difíceis das ditaduras militares, a ser assassinados impunemente por milícias de extrema-direita e forças ligadas aos sinistros interesses dos poderosos oligarcas e caciques locais, perante o silêncio cúmplice da comunidade internacional, a começar pela nossa sempre muito democrática e neoliberal comunicação social dominante.

Celebremos então o outro lado da América do Sul. A luta dos povos latino-americanos, esses revolucionários patriotas que incluíram os direitos da Pacha Mama, a Terra Mãe, nas suas Constituições como aconteceu nos últimos anos com as leis fundamentais das repúblicas da Bolívia, Venezuela ou Equador.

«A ofensiva do neo-liberalismo para recuperar o campo perdido nos últimos anos tem por cá, como não podia deixar de ser, o apoio despudorado da imprensa dominante (…)»

Cruzamos o oceano e percorremos o caminho da solidariedade internacional com a música da América Latina. Música que, no seu cruzamento da influência africana, europeia e andina, sempre soube traduzir os sentimentos e anseios dos povos oprimidos das américas contra a escravatura ou o colonialismo, e ajudar a construir a muralha de resistência aos saqueadores imperialistas de hoje.

Da Argentina, o guitarrista, cantor, compositor e revolucionário Atahualpa Yupanqui é um dos maiores nomes da música criola argentina, no seu cruzamento único das tradições europeia e andina. Figura central da  cultura e da História da Argentina, Atahualpa Yupanqui, o seu pseudónimo em quechua que significa «O que vem de longe e traz coisas importantes para contar», fala-nos aqui do caminho sinuoso, duro e difícil do Índio, neste clássico gravado em 1955.

Ali Primera é um símbolo maior da canção de protesto latino-americana cujas canções se tornaram património imaterial da Venezuela com a revolução bolivariana em 2005. Cantor empenhado na transformação social, militante comunista e revolucionário convicto, Primera fez sempre da canção uma arma em defesa da luta dos povos da Pacha Mama e dos seus heróis que por eles lutaram e deram a vida.

Num tempo em que os falcões da guerra voltam a atacar a sua Venezuela, com as portas da Amazónia abertas ao exército dos EUA pelo golpista Temer, volta a fazer todo sentido cantar e dançar o seu hino Cuando las Aguillas se arrastren.

La Negra, como ficou conhecida Mercedes Sosa devido às suas origens indígenas, sempre foi a voz dos que não têm voz, desde os descamisados da sua Argentina natal aos índios e a todos os povos martirizados da América do Sul. Perseguida pela ditadura militar na década de 80 pelas suas posições de esquerda, Mercedes Sosa transformou-se numa das grandes vozes do mundo e figura incontornável da cultura latino-americana.

Inspirado em Mercedes Sosa e concebido como uma homenagem aos povos da Pacha Mama, este Latinoamerica é o resultado da dedicação dos porto-riquenhos Calle 13 a essa ideia secular de uma America Latina unida com que Bolívar, Marti ou Che sonharam.

Com participação da cantora colombiana Toto La Momposina, da brasileira Maria Rita e da peruana Susana Baca, esta é uma homenagem a todos os povos da América do Sul, devidamente ilustrada pelo excelente vídeo realizado pelos directores Jorge Carmona y Milovan Radovic.

Da Colômbia dançamos a Cumbia revolucionária Préstame tu Lanza do acordeonista Máximo Jiménez. Cantor e compositor de origem campesina, Máximo foi um caminhante incansável que depois de percorrer a Colômbia e de se confrontar com a pobreza dos esquecidos que a imprensa e classes oligarcas pretendem apagar da História, despertou para a criação de música dedicada à libertação do seu povo,  contra as injustiças, em defesa de uma América Latina progressista, democrática e popular.

Compromisso com o outro lado da História, dos que não se vendem e não se rendem, que obrigou Máximo Jiménez a um exílio na Europa, desde a década de 80, devido às ameaças de morte dos bandos assassinos dos esquadrões da morte que ainda hoje perseguem os que defendem uma América livre para todos.

Você precisa estar logado para postar um comentário Login