Ato de vandalismo apaga rosto de Marielle Franco em painel feito por artista e alunos de escola no Ceará

Por George Wilson.

Alunos de uma escola no bairro Pimenta, em Crato, tiveram uma triste notícia acerca de um painel feito por eles junto ao artista plástico Paulo Bento, na manhã desta segunda-feira (21). A pintura, que representa seis ícones da sociedade brasileira, faz parte de um concurso do Geopark Araripe junto a iniciativa da Unesco e teve o rosto de um destes, a política Marielle Franco, totalmente apagado.

Paulo, que é artista plático e coordenador da escola EMEF Estado da Paraíba, conta que desde a última quinta-feira (17) vem pintando o painel, que segundo ele contou com ajuda de seus alunos para idealizar o que seria retratado.

“Estamos participando de um projeto do GeoPark, com intuito de fazer intervenções em áreas públicas ou particulares no concurso Geo Terra Mãe, que faz parte de iniciativa da Unesco. Em frente a escola existe uma praça, e decidimos que essa intervenção seria feita nela. Reunimos a criançada, mobilizando-os para essa iniciativa”, diz o artista.

A ideia de caracterizar as personalidades, de acordo com Paulo, partiu das crianças. “Eles quiseram homenagear personalidades da sociedade brasileira, que são destaque na cultura, na política e na literatura, por exemplo. Ficamos de quinta até sábado fazendo a pinta. Hoje cedo nos deparamos com um dos ícones do painel totalmente apagado. Sendo ela justamente a de Marielle Franco” afirma o pintor da obra.

No painel, além de retratarem a política e socióloga assassinada em março de 2018 no Rio de Janeiro, também foram retratados os bustos do ambientalista e ativista Chico Mendes, o líder indígena brasileiro Raoni Metuktire, o cantor pernambucano Luiz Gonzaga, o educador e filósofo Paulo Freire e a recém beatificada freira baiana Santa Dulce dos Pobres, conhecida também como “Irmã Dulce”.

Ato de vandalismo

Segundo ele, a motivação do ato de vandalismo pode ter sido motivado por Marielle se tratar de uma figura pública de alcance internacional, do qual representa luta em prol de minorias sociais e resistência em relação aos diversos tipos de preconceito, além da constante batalha pela justiça no Brasil.

O coordenador disse ainda que as crianças ficaram bastante abaladas por conta do ocorrido. “A reação das crianças foi de espanto e revolta. Algumas delas choraram, outras ficaram sem saber ou entender o porquê de terem feito isso. A escola hoje amanheceu com uma sensação de agressão, de violência. Sentimos na pela isso”, completa.

Ele diz que o ato feito, mesmo que sendo apenas tido como ato de vandalismo, representa uma violência moral e física sofrida por todos os alunos e profissionais da escola. Segundo Paulo, foi feito um boletim de ocorrência (B.O.) na Delegacia Regional de Policia do Crato, ainda na manhã desta segunda, junto a representantes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e da Secretaria de Educação do Crato.

Para que a memória coletiva prevaleça!

“Quarenta.” Apoie essa ideia!

https://www.catarse.me/quarenta

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.