As dez maiores economias do mundo

Por José Eustáquio Diniz Alves.

“O Mediterrâneo é o oceano do passado.
O Atlântico é o oceano do presente,
e o Pacífico, o oceano do futuro”
John Hay, secretário de Estado dos EUA, em 1900

as dez maiores economias do mundo

Entre as dez maiores economias do mundo, sete estão perdendo participação no PIB mundial e três estão ganhando participação, segundo dados do FMI, em poder de paridade de compra (ppp). Os Estados Unidos (EUA) são os maiores perdedores, pois representavam 21,8% da economia internacional em 1980, caíram para 15,3% em 2017 e devem ficar com 14,1% em 2022. Os EUA devem perder uma fatia de 7,7% do PIB mundial em 42 anos.

O Japão tinha uma participação no PIB global de 7,8%, em 1980 e subiu para 9% em 1991. Mas com a longa estagnação da economia japonesa, a participação do país caiu para 4,3% em 2017 e deve ficar em 3,7% em 2022. O Japão deve perder uma fatia de 4,1% do PIB mundial em 42 anos.

A Alemanha que tinha uma participação em 1980 de 6,6% deve ficar com apenas 2,9% em 2022, uma perda de 3,7% em 42 anos (o tamanho relativo da Alemanha será reduzido pela metade). A perda da Rússia deve ser de 2,4% em 30 anos, de 5,2% em 1992 para 2,8% em 2022. O Brasil que tinha uma participação no PIB mundial de 4,3% em 1980 deve cair para 2,3% em 2022. O Brasil, que já não era muito grande, deve diminuir em 2% sua participação na economia global. França e Reino Unido também estão encolhendo. Cada qual desses países era maior do que a China em 1980 e devem ser apenas uma fração do gigante asiático em 2022.

Das dez maiores economias, somente China, Índia e Indonésia ganharam espaço na economia internacional. A China é o grande destaque dos 42 anos em questão. Em 1980, a participação da China no PIB mundial era de somente 2,3%, ou seja, a China era menor do que o Brasil (que representava 4,3% do PIB mundial). Em 2017, a China já representava 18,3% e deve chegar a 20,4% do PIB mundial em 2022. A China elevou sua presença global em 18,1% em 42 anos e já é a maior economia do mundo (em ppp).

Outro país que deu um grande salto foi a Índia, que representava 2,9% do PIB global em 1980 e deve chegar a 9,2% em 2002, um aumento de 6,3% em 42 anos. Num ritmo um pouco menor, a Indonésia passou de 1,4% em 1980 para 2,6% em 2017 (já é maior do que o Brasil) e deve chegar a 2,8% em 2022, um aumento de 1,4% em 42 anos.

A tabela abaixo mostra o valor do PIB (em ppp) das dez maiores economias do mundo e o percentual de participação dessas economias na economia global, em 2017. O Brasil que tinha a pretensão de ser a quarta economia do mundo (passando Alemanha e Japão) perdeu posição para a Rússia e a Indonésia, encontrando-se na oitava posição.

as dez maiores economias do mundo

A lista das maiores economias não é a mesma dos países com maior presença demográfica. Os países mais populosos do mundo, em 2017, são: China (1,4 bilhão de habitantes), Índia (1,34 bilhão), EUA (324 milhões), Indonésia (264 milhões), Brasil (209 milhões), Paquistão (197 milhões), Nigéria (191 milhões), Bangladesh (165 milhões), Rússia (144 milhões) e México (129 milhões.

Entre as 10 maiores economias, os três países que estão ganhando volume no PIB global são asiáticos e juntos (China, Índia e Indonésia) representam 40% da população mundial e já possuem um PIB equivalente ao do G7. Embora esses três países não sejam os protagonistas da reunião do G20, que ocorre em Hamburgo, na Alemanha, eles devem ganhar destaque nos próximos anos na medida em que o eixo da economia internacional se desloca para a Ásia.

Assim, o avanço destes países reforça o ocaso do processo de ocidentalização (que teve início com as grandes navegações do século XV) e pode marcar a aurora do processo de Orientalização do mundo, retomando uma hegemonia que existia antes da Revolução Industrial e Energética. A região do sol poente, o Oeste, perde força global. A região do sol nascente, o Leste, ganha força na economia internacional, no século XXI.

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; ecodebate.com.br/…/as-dez-maiores-economias-do-mundo-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alvesApresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: [email protected]

Fonte:  EcoDebate

14 COMENTÁRIOS

  1. e isso vai continuar se estivermos entregando minérios que valem ouros a preço de banana pra china que manipula e vende 20 vezes mais do valor comprado, esse é só um dos exemplos.

  2. Será mesmo que ninguém sabe quais são as MAIORES ROUBALHEIRAS no Brasil? Lá vai: 1) Sonegação de Impostos – MAIS DE UM TRILHÃO ANO – vide Operação Zelotes da Polícia Federal e Receita Federal. É ROUBO REAL de dinheiro PÚBLICO.
    2) JUROS da DIVIDA PÚBLICA INTERNA INVENTADA – SEISCENTOS BILHÕES ANO. Em 1997, governo FHC , juntaram as dívidas dos Estados e transferiram para a União, totalizando uns 70 bilhões de reais que SERIAM pagos com a PRIVATARIA e cobrados dos Estado com juros da taxa SELIC(AGIOTAGEM , PICARETAGEM DE ESTADO) e hoje est~´a , a divida , em mais de QUATRO TRILHÕES. Os Estados devem hoje a União (credores da união na verdade, umas dez ou quinze famíglias, via seus bancos) DEZ VEZES MAIS do que transferiram . O RS repassou 8 bilhões, PAGOU 26 e ainda deve 58 BILHÕES.
    3) A CAIXA PRETA DO SISTEMA “S”. Sesc, Senac, Sesi, Senai, Sest, Senat , Sebrae e suas cuidadoras FIESP, FIERGS, FIERJ, etc. Já está aparecendo alguma coisa na “imprensa”.
    Essa palhaçada de lava jato não chega , em valores , nem a coçar naquela do Banestado. E também, foram pagas PROPINAS com dinheiro das EMPREITEIRAS, que já os havia ganho, portanto, NADA DE DINHEIRO PÚBLICO. Se as equipes, com milhares de especialistas da Petrobrás, aprovaram as compras e as OBRAS, eles é que deveriam estar PRESOS também.

  3. Querido amigo vamos parar de apontar o dedo só para os politicos, pergunta? Quem elegem os politicos? Quem vota já pensando em quem vai ganhar para colocar a familia la dentro? Quem vende voto a troca de banana? Amigo liberte-se de mal nao vote em que ja foi e quem e politico, vote em gente que realmente quer mudar a sua cidade e o seu país, estude mais e liberte-se do que tem a força, tipo empresario escravista, politico corruptos. Veja qual o país de cada um quer deixar para os seus filhos os netos e gerações futuras.

  4. Pena que essas notícias não saem na imprensa da GLOBOGOLPE/CIA. O Brasil é uma GRANDE ECONOMIA mas é também o País que MAIS MATA de fome . VOLTAMOS AO MAPA DA FOME DA ONU.

    • É lamentável uma economia desse porte com pessoas ainda passando fome, como se tinha nos anos, na Africa, é vergonhoso e desastroso.

  5. QUERO SALIENTAR QUE EM 2008 O BRASIL ERA SEXTA ECONOMIA DO MUNDO, HOJE SOMOS A OITAVA PERDEMOS 2 PONTOS. A RENDA DE DISTRIBUIÇÃO É MUITO BAIXA, ONDE A POBREZA REINA COM MAIOR AVANÇO E DESTREZA. PORTANTO PARA MELHORAR O PIB DEPENDE MUITO DE GOVERNOS VOLTADOS PARA CONSTRUIR O BRASIL DE BASE, DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E EFICÁCIA. O BRASIL TEM TUDO PARA FICAR UM DIA ENTRE AS 3 MAIORES ECONOMIAS DO MUNDO NO FUTURO, FUTURO ESSE QUE NÃO SE SABE QUANDO.

  6. tamanho da economia dividido pela população o Brasil vai bem obrigado. quanto a distribuição da riqueza aí estamos muito mal.
    nesse quesito,os nórdicos tão uma surra no top 10.

  7. Breno, se apenas distribuir a renda, todos serão pobres. Com exceção dos empresários e políticos, que geralmente ficam de fora desse processo. Só distribuição de renda não é o suficiente.

  8. Sim, Brasil é grande economicamente, mas descordo um pouco, o problema não é a distribuição de renda, e sim político. Nossa política é atrasada na minha opinião. Esse problema que nós temos aparece em outro lugares do mundo também, países que tem potencial mas não se desenvolvem, por outro lado, existem países sem potencial (econômico) e que se desenvolvem e viram potencias. Problema do mundo hoje é político.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.