A luta de classes em tempos de crise estrutural

Wallerstein alerta: lutas sociais e políticas serão cada vez mais selvagens; e esquerda só vencerá se souber combinar a conquista do poder de Estado (para evitar o pior) com uma transformação cultural de enorme radicalidade

Imagem: François Bard, Recuo Necessário (2018)

Por Immanuel Wallerstein.

As lutas de classes são eternas, mas a maneira de travá-las depende do estado do Sistema-Mundo em que elas se desenvolvem.

Os Sistemas-Mundo têm três temporalidades. Eles formam-se – e isso precisa ser explicado. Depois, eles transformam-se em estruturas estabilizadas e operam segundo as regras sobre as quais são formados. Numa terceira fase, as regras por meio das quais mantêm sua relativa estabilidade deixam de agir de modo efetivo – e eles entram numa crise estrutural.

Estamos vivendo no Sistema-Mundo moderno, que é capitalista. Estamos agora na terceira fase de sua existência, a da crise estrutural.

Na fase anterior, a das estruturas estabilizadas ou da normalidade, havia um grande debate no interior da esquerda, sobre como seria possível realizar o objetivo de destruir o capitalismo como sistema. Este debate se deu tanto nos movimentos criados pela classe trabalhadora ou proletariado (entre eles, os sindicatos e partidos de esquerda) e dentro dos partidos nacionalistas e movimentos de libertação nacional.

Cada lado deste grande debate acreditava que sua estratégia – e só ela – poderia ter êxito. Na verdade, embora cada lado criasse zonas nas quais parecia ser bem-sucedido, nenhum deles o fez. Os exemplos mais dramáticos de histórias de sucesso presumido que não foram capazes de evitar uma volta da normalidade foram o colapso da União Soviética e o colapso da Revolução Cultural maoísta.

O ponto de virada foi a revolução mundial de 1968, marcada por três aspectos. Foi uma revolução mundial no sentido de que eventos análogoso ocorreram em dististas partes do Sistema-Mundo. Todos eles rejeitavam tanto a estratégia orientada para a conquista do Estado quanto a gradualista e cultural. Tratava-se, diziam, não de uma questão de se/ou, mas sim de ambas.

Ao fim, também a revolução de 1968 fracassou. Apesar disso, ela foi capaz de levar ao fim a hegemonia do liberalismo centrista e seu poder de controlar tanto a esquerda e a direita, às quais foi permitido voltar à luta como atores independentes.

No início, a direita ressuscitada pareceu prevalecer. Ela instituiu o Consenso de Washington e lançou o slogan TINA (“não há alternativa”). Mas as desigualdades sociais e de renda tornaram-se tão extremas que a esquerda resssurgiu e restringiu a capacidade dos Estados Unidos em manter ou restaurar sua dominação.

A volta da esquerda a um papel de destaque também terminou. E assim começou um processo de mudanças selvagens, um elemento definidor das crises estruturais. Nelas, a esquerda precisa construir uma política de buscar, no curtíssimo prazo, o poder de Estado, para minimizar a dor dos 99% da população. Mas, ao mesmo tempo (“e”), no médio prazo, perseguir uma grande transformação cultural de todos.

Estes objetivos aparentemente contraditórios são muito desconcertantes. São, porém, o único meio de travar a luta de classes, nos anos que restam da crise estrutura. Se pudermos fazê-lo, podemos vencer. Se não, sucumbiremos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.