Vítor, o bebê Kaingang: 30 dias após a tragédia

Por Camila Ignácio, de Florianópolis, para Desacato.info.

Hoje, dia 29 de janeiro, completam 30 dias da morte de Vitor Pinto, bebê indígena assassinado na rodoviária de Imbituba. O inquérito da Polícia Civil sobre o caso terminou na terça-feira, dia 27, e foi enviado ao Poder Judiciário o mandado de prisão do jovem de 23 anos identificado como autor do assassinato. No processo, o crime não é identificado como de ódio contra raça, cor ou classe social. Essa colocação causou revolta no povo Kaingang, que diariamente enfrenta a raiva e o preconceito de grande parte da população do Sul do país.

“É providencial que se diga que não foi um crime de ódio, que o rapaz estava com distúrbios mentais. Mas, se ele escolheu o Vitor e não qualquer outro para matar, isso aconteceu porque a mídia hegemônica criou uma imagem tão ruim dos Kaingang que faz a população desconsiderar completamente o fator humano dessas pessoas. Foi mais fácil matar o Vitor, pois para o assassino, ele era um lixo”, vocifera Joziléia Daniva Kaingang, mestranda de antropologia e Kaingang natural da terra indígena Serrinha, do Rio Grande do Sul.

Os Kaingang são o terceiro maior povo indígena do país, e o maior de Santa Catarina. Eles vivenciam crimes constantes: piadas racistas, violência e xingamentos. Na mídia do estado, são geralmente colocados como um estorvo, pessoas que bloqueiam a BR-101 no Morro dos Cavalos ou que roubam a terra dos agricultores no Oeste. Sobre a morte de Vitor e a violência dos outros indígenas, pouco se fala. Sobre sua história, muito menos.

Originalmente, eles são um povo que foi ocupando planícies e montanhas. Os Kaingang sempre tiveram uma residência fixa e outras de passagem e, dessa forma, se movimentavam para os locais com mais alimento, sempre retornando ao ponto inicial. Atualmente, em Santa Catarina, estão mais concentrados na região Oeste e nas periferias do estado. “Quando falam sobre os indígenas aqui, querem aqueles de novela, estereotipados. O indígena sem reconhecimento acaba ainda mais marginalizado”, diz Joziléia. E mesmo depois de muito tempo, a movimentação desse povo continuou: ela acontece com a venda de artesanato nos litorais gaúcho e catarinense na época de verão.

0-17857223
Sobre a tristeza que permanece após a morte de Vitor e os constrangimentos vividos pelo povo originário dessa terra, a Kaingang completa: “A mídia não pode esperar por desastres para corrigir o ódio que colocou nas entrelinhas durante tantos anos. Nós prezamos pelas crianças, cuidamos de nossas crianças. Os filhos são como primogênitos de toda a rede de parentesco que se constitui entre eles. Todo amor que se tem por um filho, se tem por um sobrinho. A perda de uma criança é sempre um crime muito violento, mas para nós Kainkang, isso é muito mais do que vocês brancos podem imaginar. Se fosse o filho de um agricultor morto por um de nós, a reação dos brancos seria muito maior.”

Fotos por Zé Carlos Borges.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.