Visita de Evo Morales a Cuba fortalece relações entre dois aliados

O presidente da Bolívia, Evo Morales, realizou nesta segunda-feira (23) uma visita oficial a Cuba durante a qual defendeu junto a seu colega cubano Miguel Díaz-Canel, o fortalecimento das relações bilaterais e a ampliação da cooperação em diversas áreas.

Morales é o segundo presidente que visita a ilha desde a eleição de Díaz-Canel no último dia 19 como presidente dos conselhos de Estado e de Ministros, cargos nos quais substituiu o líder revolucionário Raúl Castro.

Segundo o presidente boliviano, sua viagem a Cuba tem como um dos principais objetivos impulsionar o processo de integração na América Latina e Caribe.

Tratamos diversos temas de caráter comercial e em matéria de integração, para retomar a agenda da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América e a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos, disse Evo à imprensa depois de homenagear o Herói Nacional cubano, José Martí, em seu memorial.

Morales visitou ao lado de Díaz-Canel instalações do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Havana.

Ali o presidente boliviano conheceu os avanços científicos em Cuba e o desenvolvimento da indústria biotecnológica, concebida também para atender as demandas internacionais.

Depois, em coletiva de imprensa, referiu-se ao seu encontro com Díaz-Canel, afirmando que é um presidente democraticamente eleito e não necessita de nenhum reconhecimento de poderes estrangeiros.

Morales expressou sua confiança em Díaz-Canel, desejou êxitos em sua gestão e reafirmou a amizade que une os povos cubano e boliviano.

Ele voltou a agradecer a Cuba por sua solidariedade em matéria de justiça social, com programas de educação e saúde, entre eles a Operação Milagre, que devolveu a visão a mais de 700 mil bolivianos.

Por outro lado, afirmou que fará todo o possível para manter vivos os processos de integração na América Latina e Caribe, os quais considerou um mandato dos povos.

Em declarações à Prensa Latina, Morales se referiu à situação criada na União de Nações Sul-americanas (Unasul), bloco cuja presidência rotativa é exercida pela Bolívia, depois da decisão de Argentina, Brasil, Colômbia, Chile, Peru e Paraguai de suspender suas atividades na organização.

Vamos conversar com os presidentes desses seis países que momentaneamente suspendem sua participação, afirmou o presidente boliviano em um encontro com jornalistas.

Nesse sentido – acrescentou – serão feitos todos os esforços para chegar a um consenso e superar os problemas na Unasul.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.