Único negro, técnico de Senegal tem menor salário da Copa

Aliou Cissé. Foto: Captura de tela do Youtube

A vitória de Senegal sobre a Polônia por 2 a 1 nesta terça-feira (19) surpreendeu comentaristas de futebol e trouxe à tona a realidade do racismo velado contra treinadores no futebol. Se os jogadores negros já dominam até mesmo as escalações de alguns países europeus, o panorama é bem diferente quando se trata dos técnicos.

Aliou Cissé, que foi estrela da seleção do Senegal em 2002, é o único treinador negro entre as 32 equipes da Copa do Mundo deste ano. Além disso, ele é também o técnico com o menor salário. Segundo dados divulgados pelo canal de TV holandês Zoomin, Cissé recebe cerca de R$ 850 mil ao ano, salário 16 vezes menor do que o de Tite, por exemplo.

Apesar de serem maioria até mesmo em alguns times europeus, como a França, raramente os negros são bem recebidos como técnicos no futebol. Até hoje, por exemplo, apenas um negro dirigiu a seleção brasileira: Gentil Cardoso, em 1959, há quase 60 anos. E mesmo assim, em uma única competição de baixo prestígio: O Campeonato Sul-americano daquele ano foi disputado duas vezes, e Gentil Cardoso dirigiu a seleção pernambucana, representando o Brasil, numa dessas vezes. “Não fui chamado porque sou preto”, teria dito ao ser preterido para as competições seguintes.

Raízes senegalesas do Brasil
Celso Marcondes, ex-diretor do Instituto Lula para a Iniciativa África, comemorou o resultado: “Senegal lava a alma dos povos africanos e consegue a primeira vitória de uma equipe do continente na Copa da Rússia.  Única seleção com um técnico negro, ex-jogador senegalês,  passa a ter grandes chances de classificação.  Por coincidência,  é um dos países africanos que mais “importou”  programas sociais do governo Lula.  E um dos que mais “exportou” negros escravizados para o Brasil, embarcados na ilha de Goree”.

O site de futebol Trivela publicou em 2016 uma matéria sobre o racismo contra treinadores no futebol  e resgatou uma fala de Gentil Cardoso em 1954. Ao ser preterido para dirigir a seleção brasileira na Copa da Suíça, Cardoso teria dito: “O racismo é um fato que a hipocrisia encobre”.

“Eu estou com as massas, e as massas derrubam até governos”, disse Gentil Cardoso, comemorando o título do carioca de 52. Ele foi demitido no dia seguinte. Foto: Reprodução

relatório anual de discriminação no futebol brasileiro de 2016  (último dado disponível) apontou 25 casos naquele ano. Das 20 equipes que disputam o Campeonato Brasileiro deste ano, apenas uma (o Palmeiras) tem um técnico negro, Roger Machado.

Em entrevista coletiva, o técnico senegalês comentou sobre ser o único técnico negro na copa. “É uma realidade dolorosa”. Após a partida, o treinador que está a frente da seleção desde 2015, mostrou-se orgulhoso pelo trabalho que vem fazendo.

“Eu garanto que toda a África está nos apoiando. Eu recebo telefonemas de todos os lugares. Temos orgulho de representar a África”, disse Aliou Cissé. que já foi atleta da seleção senegalesa em 2002.

Racismo no futebol russo quase levou a boicote

A frequência dos atos racistas em estádios russos é tão grande que chegou a ensejar a ameaça de um boicote de jogadores negros ao Mundial. Em março deste ano, a Fifa  foi acionada para tomar medidas severas diante de manifestações racistas partindo dos torcedores russos.

No amistoso que antecedeu o mundial entre Rússia e França, imitações de macacos vinham da arquibancada toda vez que os jogadores negros da França estavam com a bola.  A maior entidade do futebol alegou que haveria tolerância zero contra discriminação racial. Até o momento nenhum ato de racismo foi registrado no mundial.

Festa no Brasil
Após a partida, a comunidade senegalesa em São Paulo saiu às ruas para comemorar a primeira vitória africana na Copa 2018:

O próximo confronto dos africanos acontece neste domingo diante do Japão, a partida está marcada para às 12 horas (de Brasília) na arena Ecaterimburgo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.