Stephen Hawking morre aos 76 anos

Considerado uma das mentes mais brilhantes da história, físico teve a morte confirmada por um porta voz da família; cientista lutou contra a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) durante mais de cinco décadas.

Foto: Divulgação

O mundo perdeu, na madrugada desta quarta-feira (14), uma das mais brilhantes mentes científicas de todos os tempos. O físico e pesquisador britânico Stephen Hawking morreu aos 76 anos de idade em Cambridge, na Inglaterra. A informação foi confirmada por um porta-voz da família do cientista, que não deu detalhes sobre a causa da morte. “Estamos profundamente tristes que o nosso querido pai faleceu hoje. Ele foi um grande cientista e um homem incrível, cujo legado vai viver por muitos anos”, dizia a nota, assinada por Lucy, Robert e Tim, filhos de Hawking.

Portador de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), Hawking batalhou contra a doença por 55 anos e já havia perdido a fala e capacidades motoras em decorrência da doença.

O que existia antes do Big Bang? Stephen Hawking diz ter desvendado mistério

Nascido em Oxford, na Inglaterra, em 1942, Hawking estudou na Universidade de Oxford e depois fez seu PhD em cosmologia na Universidade Cambridge, onde lecionou durante anos nas áreas de física e matemática. É professor lucasiano emérito da universidade, mesmo título concedido a a Isaac Newton. O físico também era diretor do Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica na universidade.

Considerado um dos mais brilhantes cientistas da história, Hawking é reconhecido na comunidade acadêmica principalmente por suas pesquisas com buracos negros espaciais, cosmologia, mecânica quântica e pela ampliação do estudo sobre a teoria da relatividade, proposta por Albert Einstein.

Durante sua carreira, recebeu diversos prêmios e honrarias, como a Medalha Albert Einstein e a Medalha Copley.Também é detentor da Medalha Presidencial da Liberdade, maior prêmio cívil do governo dos Estados Unidos e foi condecorado comandante da Ordem Real do Império Britânico. Durante os anos 90, Hawking rejeitou o título de Cavaleiro da Rainha.

Inspirado pelo colega Carl Sagan, o físico também era famoso pela sua luta para simplificar a linguagem científica e tentar explicar conceitos complexos para pessoas leigas. Com isso, promoveu o interesse pela física e cosmologia em pessoas do mundo inteiro com o lançamento de best sellers como “Uma Breve História no Tempo” e “O Universo Numa Casca de Noz”, que venderam milhões de cópias pelo planeta. O físico escreveu 14 livros durante sua carreira.

Leia também: Relembre onze frases de Stephen Hawking

A vontade de popularizar a ciência, somada às muitas participações de Hawking em programas de entrevistas e na cultura pop, como nas série “Star Trek” e “Star Trek – The Next Generation”, no música “Keep Talking”, da banda Pink Floyd ou em desenhos como “Os Simpsons” e “Futurama”, entre outros, geraram uma série de críticas da comunidade acadêmica ao físico. De acordo com alguns colegas, a personalidade “popstar” de Hawking não contribuia para a ciência. Apesar das críticas, Stephen Hawking era querido e respeitado pela imensa maioria dos colegas. Conhecido por seu senso de humor, ele é visto por muitos como um visionário por conseguir simplificar conceitos tão complexos.

Apoio aos direitos humanos do povo palestino

Stephen Hawking anunciou seu apoio ao boicote acadêmico a Israel em 2013, após cancelar sua participação em uma conferência organizada pelo então presidente israelense Shimon Peres em Jerusalém.

Eternizado nas telonas

Reprodução

“A Teoria de Tudo” contou a história de Stephen Hawking se baseando no livro escrito por sua ex-mulher, Jane

A popularidade e a genialidade de Hawking renderam ao físico um filme biográfico. “A Teoria de Tudo”, lançado em 2014, é baseado no livro “My Life with Stephen” de Jane Hawking, primeira esposa do físico e mãe de seus três filhos. Jane e Stephen ficaram casados de 1965 até 1991. Quatro anos após o fim do primeiro casamento, o físico se casou com a enfermeira Elaine Mason. Os dois se separaram em 2006.

O filme, dirigido por James Marsh, foca no romance entre os dois, no diagnóstico do cientista com a doença Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e no sucesso de Hawnking no campo da física. O filme foi bem recebido pelo público e pela crítica e rendeu a Eddie Redmayne o Oscar e Globo de Ouro de melhor ator.

O físico também foi eternizado no documentário “A Brief History of Time”, dirigido por Errol Morris, que conta com entrevistas com familiares, amigos, colegas e pessoas próximas de Hawking.

Batalha contra a Esclerose Lateral Amiotrófica

Diagnosticado em 1963, Stephen Hawking lutou contra a ELA durante 55 anos
Divulgação

Diagnosticado em 1963, Stephen Hawking lutou contra a ELA durante 55 anos

Stephen Hawking foi diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA ou Doença de Lou Gehrig) em 1963, quando tinha apenas 21 anos. Ainda nos anos 60, começou a ter dificuldades para escrever e a usar muletas para andar. No final da década, contra sua vontade, passou a usar uma cadeira de rodas para se locomover.

Nos anos 70, a capacidade de fala do cientista começou a se deteriorar e apenas pessoas próximas dele conseguiam entendê-lo. Em 1985, ele sofreu de uma pneumonia e foi submetido a uma traqueostomia, o que eliminou completamente sua habilidade de falar. No ano seguinte, ele recebeu o computador “Equalizer”, que o ajudou a se comunicar e a escrever artigos e livros durante mais de três décadas.

Em 2005, o cientista perdeu o movimento das mãos e já não podia mais movimentar a cadeira de rodas sozinho. Ele começou a utilizar o “Equalizer” através dos músculos do rosto, produzindo cerca de uma palavra por minuto. Ao longo dos anos, o físico se uniu com a empresa Intel para desenvolver um sofware que ajudasse a “prever” suas palavras. O físico Werner Israel chegou a dizer que Hawking era o “Mozart da física”, por conta de suas incríveis contribuições científicas apesar das dificuldades para produzir.

No ano de 2009, Hawking já não conseguia mais mover sua cadeira de rodas sozinho e sua condição seguiu se deteriorando. Nos últimos anos de sua vida, ele conviveu com problemas respiratórios e foi internado diversas vezes.

Com informações do IG.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.