Silvia Federici dialoga com pensadoras e lança livro no Memorial da América Latina

Autora de “Calibã e a bruxa” debate história, feminismo e a atualidade das mulheres no mundo contemporâneo

Por Pamela Oliveira

Depois de Calibã e a bruxa, é a vez de Federici lançar o livro: O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista / Lorena Alves

Uma das maiores historiadoras feministas da atualidade, Silvia Federici lança seu novo livro “O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista”, no Memorial da América Latina, em São Paulo, na próxima terça-feia (24). O evento conta também com um debate entre a autora italiana e três destacadas pensadoras e militantes brasileiras: Sabrina Fernandes, Mariléa de Almeida e Jera Guarani, representantes dos movimentos ambientalista, negro e indígena. O diálogo começa às 19h, com entrada gratuita por ordem de chegada.

Silvia Federici é um nome de peso para analisar o sistema capitalista a partir de uma perspetiva de gênero. Seu livro mais conhecido, “Calibã e a bruxa”, vem conquistando dezenas de milhares de leitores e leitoras no país. A exaustiva pesquisa de Silvia Federici sobre a campanha de terrorismo contra as mulheres disfarçada de “caça às bruxas” durante a transição do feudalismo para o capitalismo na Europa, com repercussões nas Américas, oferece uma inovadora compreensão sobre o papel essencial das mulheres — e de seu trabalho doméstico gratuito — para o desenvolvimento do sistema vigente. A obra vendeu mais de vinte mil exemplares, e o PDF pode ser baixado livremente na internet.

“Calibã e a bruxa”, publicado pela Editora Elefante em julho de 2017, chegou ao Brasil graças ao trabalho das mulheres do Coletivo Sycorax, que tiveram a iniciativa de traduzir a obra ao português. O grupo também é responsável pela tradução de “O ponto zero da revolução”, lançado em 2019, e traduzirá ainda mais um livro da autora, Re-enchanting the World: Feminism and the Politics of the Commons [“Reencantar o mundo: feminismo e a política dos comuns”], com lançamento previsto para 2020, também pela Editora Elefante.

Sobre as debatedoras

Nascida em Parma, na Itália, em 1952, Silvia Federici é historiadora e professora emérita da Universidade Hofstra, em Nova York, nos Estados Unidos, onde vive desde 1967, e onde ajudou a fundar o International Feminist Collective, participou da Wages for Housework Campaign e contribuiu com o Midnight Notes Collective. Durante os anos 1980, foi professora na Universidade de Port Harcourt, na Nigéria, onde acompanhou a organização feminista Women in Nigeria e contribuiu para a criação do Committee for Academic Freedom in Africa.

No Memorial da América Latina, Federici debaterá com Sabrina Fernandes, autora do canal Tese Onze, no youtube, e do livro “Sintomas mórbidos: a encruzilhada da esquerda brasileira” (Autonomia Literária, 2019); Mariléa de Almeidaé doutora em história pela Universidade de Campinas e assessora da deputada estadual Erica Malunguinho; e Jera Guarani é liderança indígena guarani mbya de São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.