“Se a Kirchner quiser fechar o Mercosul, o Brasil sai do bloco”, ameaça Paulo Guedes

Guedes minimizou o agravamento da crise com a Argentina e seu impacto para o Brasil. Segundo ele, a indústria automotiva só é tão afetada porque a economia brasileira é muito fechada.

Foto: Rafael Luz

O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou nesta quinta-feira (15) a vitória da chapa formada por Alberto Fernández e Cristina Kirchner nas eleições primárias para a presidência da Argentina como “destino dos argentinos” e afirmou que o crescimento da nossa economia não depende do país vizinho. “Quando o Brasil precisou da Argentina para crescer?”, indagou durante a participação em um evento em São Paulo.

De acordo com a Veja, Guedes disse também não se preocupar com a possibilidade do Mercosul adotar uma nova postura em relação ao mercado global a partir de um possível retorno do kirchnerismo e admitiu deixar o bloco caso o país adote medidas antimercado.

“Se a Kirchner entrar e quiser fechar [a economia]? Se quiser fechar, a gente sai do Mercosul”, afirmou o ministro.

Segundo o ministro, a crise instalada no país vizinho após a derrota do presidente argentino Maurício Macri para a chapa de Kirchner pouco impacta a economia brasileira.

Ele disse que, apesar das exportações indústria automobilística brasileira para a Argentina representarem a maioria das exportações de veículos do país, o Brasil tem uma “indústria competitiva que vende em qualquer lugar do mundo” e minimizou o aumento do dólar.

“Acabou a crise na Argentina, [a cotação da moeda americana] volta para três, três e pouquinho. Preocupação zero”, afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.