Sabe a Praça de São Miguel do Oeste? A rua? É do povo.

Por Claudia Weinman, para Desacato. info.

A vinda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a São Miguel do Oeste/SC neste domingo, dia 25, tem gerado conflitos, como de esperado. As demonstrações de ataque não acontecem apenas nesta cidade, mas em outras em que a caravana tem realizado sua agenda.

A questão é que agora ocupar a rua não é em exclusivo pelo Lula. A necessidade da Direita e da ala ignorante em termos sociais, históricos e culturais se organizarem  para barrar tudo aquilo que o povo organizado do interior do estado representa vai se evidenciando cada vez mais. Não é a toa que eleitores do Deputado Jair Bolsonaro querem e vão ocupar as ruas, com esparadrapo na boca (ótimo) e vestindo a cor preta, em sinal de luto, de repúdio, e mais uma vez, o “preto” assumindo a conotação de algo ruim.

A questão crítica da história toda é que o povo precisa ocupar esse espaço na rua em outros momentos também, para defender a previdência, os direitos trabalhistas, etc… etc…. E o que está colocado para alguns grupos sociais e populares hoje é a certeza que não existe um “messias”. Mas também que a resistência em ocupar os arredores da Praça Walnir Bottaro Daniel neste domingo se faz imprescindível neste momento em que a Administração que atua na Prefeitura da cidade quer boicotar os espaços públicos, como se estes pertencessem a determinado partido e, além disso, se colocam na posição de quererem censurar a imprensa livre e independente.

Nesse sentido, para quem não defende estuprador, para quem não defende a xenofobia, o racismo, a opressão, etc… etc…. Vale à rua como sempre. Para alguns o cenário será de adoração, outros de repúdio, para outros/as a cobrança pelo que não foi feito em termos de política para as gentes (parcerias com o capital, etc…) mas especialmente, para os grupos de resistência do interior vale a pena ocupar a rua para dizer que ESSE ESPAÇO É DO POVO.

_

Claudia Weinman é jornalista, diretora regional da Cooperativa Comunicacional Sul no Extremo Oeste de Santa Catarina. Militante do coletivo da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) e Pastoral da Juventude Rural (PJR).

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here