Restaurante Popular fecha em Porto Alegre e só deve reabrir em dois meses

Foto: Joana Berwanger

Por Luís Eduardo Gomes.

O Restaurante Popular (RP) de Porto Alegre deixou de atender o público nesta quinta-feira (9) devido ao fim do contrato com a atual prestadora de serviços. Localizado na Rua Santo Antônio, no bairro Floresta, o restaurante funcionava desde fevereiro de 2016, quando foi reaberto, servindo entre 500 e 550 refeições diárias ao preço de R$ 1. Diretor de Direitos Humanos da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Esporte (SMDSE) e responsável pelo Restaurante Popular, Dari Pereira confirma o fechamento e que um edital para contratar novos prestadores de serviço está sendo finalizado, mas que o serviço só deverá ser retomado em dois meses.

Pereira diz que um edital foi lançado em janeiro, mas deu deserto e que o próximo será mais adequado à realidade das organizações sociais que tem condições de prestar o serviço. Pereira explica que o objetivo da Prefeitura é modificar o modelo de operação do RP. Em vez de apenas um ponto no Centro, a ideia é também oferecer o serviço em outras quatro regiões da cidade: Lomba do Pinheiro, Eixo Baltazar, Cruzeiro e Extremo Sul. O restaurante do Centro deverá ser mantido, mas em local definido pela organização social que vencer a licitação, servindo 350 refeições diárias, enquanto serão servidas 50 refeições em cada unidade dos bairros. O restaurante também passará a ser gratuito, mas sendo destinado apenas para a população em situação de vulnerabilidade social cadastradas nos serviços de assistência social da Capital.

Pereira destaca que percebeu-se que muitos usuários do restaurante eram moradores de outras cidades da Região Metropolitana que deixaram de contar com o serviço. Ele explica que a ideia da Prefeitura é então firmar uma parceria com o governo do Estado para que essas pessoas também sejam atendidas em outros locais.

O diretor da SMDSE diz que, atualmente, o restaurante é frequentado por pessoas em situação de rua e por idosos e trabalhadores de baixa renda. Ele diz que a Prefeitura já vem conversando com usuários do RP há cerca de um mês e que fez um cadastramento para que cerca de 150 usuários, considerados em maior situação de vulnerabilidade, continuem a receber o serviço. Segundo ele, a partir de segunda-feira a Prefeitura irá servir, em parceria com uma ONG, almoço para estas pessoas de forma emergencial em albergues municipais e no Centro POP.

Pereira diz que, após o lançamento do edital, haverá um prazo de 30 dias para o anúncio do vencedor e que a expectativa é que a vencedora, ou as vencedoras — as unidades serão licitadas individualmente –, levem de uma a duas semanas para iniciar a prestação de serviços. O que deve resultar na reabertura do serviço no mês de julho. “Enquanto isso, a população de maior vulnerabilidade vai estar sendo atendida emergencialmente”, diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.