Programação semanal FCBadesc de 18 a 24 de outubro de 2018

Foto: Reprodução Internet.

A partir desta quinta-feira, 18 de outubro, às 19h, o Espaço 2 da Fundação Cultural Badesc, em Florianópolis, passa a ser chamado Espaço Paulo Gaiad, em homenagem ao artista que figura entre os mais importantes de Santa Catarina, falecido em outubro de 2016.  Para a cerimônia de inauguração será exibido um vídeo que integrou a exposição Impossibilias: arquivo e memória em Paulo Gaiad, duas obras inéditas do artista e a apresentação de uma série de imagens e textos que contam a trajetória do Espaço 2 desde a sua criação.

Impossibilias: arquivo e memória em Paulo Gaiad encerrou oito meses antes do desparecimento do artista, e foi uma das mais procuradas pelos visitantes durante seus três meses de funcionamento, a que reuniu o maior número de obras do artista, além de ter ocupado pela primeira vez todos os espaços do Casarão onde está instalada a Fundação.

O Espaço que será rebatizado, ocupa a antiga sala da direção geral e em 2014, quando foi inaugurado, o nome foi escolhido para que fosse possível a construção de uma trajetória mais espontânea e livre para os artistas e suas obras. Tanto que a exposição de abertura não privilegiou um artista ou uma modalidade específica, mas uma coletiva que uniu artes visuais, música, moda, design e outras linguagens.

Em seus quatro anos de atividades e dezenas de exposições de artistas de renome nacional e internacional, o Espaço 2 se consolidou como um dos mais importantes para as artes visuais no Estado. Recebeu exposições marcantes, como a última em vida de Paulo Gaiad.

Paulo Gaiad

Em 1972, o arquiteto, pintor, desenhista e gravador Paulo Renato Gaiad (Piracicaba (SP), 1953 – Florianópolis (SC), 2016) ingressou no curso de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de Brasília (UnB). Dois anos depois, inicia curso de desenho na Pontifícia Universidade de Campinas (PUC/Campinas) e recebe bolsa de estudos para frequentar o curso de Planejamento Urbano da Universidade de Oslo (Noruega). Entre 1975 e 1977, estudou arquitetura em São Paulo e, em 1980, cursou desenho livre na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Em 1981, fixa residência em Florianópolis, onde passou a trabalhar com arquitetura e artes plásticas. Participou de oficinas de litografia, estudo de modelo vivo e gravura em metal do Museu de Arte de Santa Catarina (Masc). Em 1984, ganhou a Bolsa de Multiplicadores Culturais do Instituto Goethe (Alemanha).

Sua primeira exposição foi realizada em 1987, no Ecco Club/Galeria Espaço de Arte, em Florianópolis. Em 1989, recebeu o prêmio Cubo de Prata da Bienal Internacional de Arquitetura, em Buenos Aires. Em 1993, realiza obras para a peça Prenome: Fausto, de Fábio Brüggemann (1962), com o Casa do Teatro Grupo Armação. Em 2006, participa do projeto Pinte um Futuro, liderado pela artista plástica holandesa Hetty van der Linden, que atua junto a comunidades que vivem em situação de risco.

De 2006 a 2010, Gaiad realizou diversas exposições individuais e coletivas em Santa Catarina, Paraná e São Paulo, além de fazer residências artísticas na França, Espanha, Holanda e Macedônia. Em 2010, participou do Ohrid Summer Festival, Ohrid, na Macedônia.

A partir de 2015, o artista cumpriu agenda intensa de mostras em Florianópolis. Além da exposição Impossibilias: arquivo e memória em Paulo Gaiad na Fundação Cultural Badesc, também apresentou seu trabalho na mostra Anotações a Caminho, no Museu Victor Meirelles.

Em março de 2017, a Fundação Cultural Badesc, realizou uma homenagem a Gaiad. Amigos do artista e admiradores de sua obra apresentaram músicas, poesias, imagens e depoimentos e no Espaço Fernando Beck foi instalada a obra inédita em nós em nós, da séria Vestimentas em Nós, produzida em parceria com o artista Franzoi.  A programação na Fundação integra o ciclo de homenagens Notícias de Paulo, que foi realizado até maio nos museus Victor Meirelles, Escola Catarinense e de Arte de Santa Catarina.

Gaiad faleceu aos 63 anos. Seu trabalho como artista correu em paralelo a outras atividades e até mesmo a tragédias familiares, como a morte da primeira filha, ainda bebê, e do incêndio que destruiu a casa onde morava no Campeche.

Serviço: Criação do Espaço Paulo Gaiad – com exposição e trajetória do Espaço 2

Data: 18 de outubro de 2018 – quinta-feira

Horário: 19h

Local: Fundação Cultural Badesc – Rua Visconde de Ouro Preto, 216, Centro – Florianópolis/SC.

Visitação até 14 de novembro, de terça a sábado, das 12 às 19h

Entrada gratuita

CINECLUBE

ART 7: O OLHAR DAS CRIANÇAS SOBRE O MUNDO

Dia 17, quarta-feira, às 19h

O mágico de Oz

(The wizard Of Oz) de Victor Fleming. EUA. 1939. 112 min. Musical/Drama. Sem classificação. Com Judy Garland, Frank Morgan e Ray Bolger.

Após um tornado, Dorothy, vai parar na fantástica Oz. Para voltar para casa ela precisa encontrar um mágico que pode lhe ajudar.

Dia 18, quinta-feira

NÃO HAVERÁ SESSÃO – ABERTURA DE EXPOSIÇÃO

PSICANÁLISE VAI AO CINEMA

Dia 19, sexta-feira, às 19h

Minha mãe

(Ma mère) de Christophe Honoré. França. 2004. 110 min. Drama. 16 anos. Com Isabelle Huppert, Louis Garrel e Emma de Caunes.

Pierre deixa a avó em Paris para ficar com os pais. Após a morte do marido, a mãe de Pierre decide acabar com suas ilusões.

CINE DELAS [FLORIPA]: JOVENS DIRETORAS

Dia 20, sábado, às 15h

O remorso

De Mariana Cobra. Brasil. 2015. 10 min. Videoarte. Sem classificação. Com Patrícia Bergantin. O inconsciente de uma mulher violentada, suas mais profundas sensações resultantes de uma sociedade misógina, religiosa e desigual.

Ou isso ou aquilo

De Hadija Chalupe e Raquel Stern. Brasil. 2015. 26 min. Comédia. 10 anos. Com Gilda Nomacce, Sidney Magal e Otto Jr.. Nilzete, uma dona de casa, torna-se prefeita após o prefeito morrer ao comer uma coxinha de galinha.

Becoming Lucy

De Luisa Novo. EUA/Brasil. 2017. 15 min. Drama. Livre. Com Maitlyn Pezzo, Heather Dowling e Octavio Rodriguez.

Depois do seu pai abandonar sua mãe por uma mulher mais jovem e loira, Lucy decide pintar o cabelo.

2017

De Pryka Almeida. Brasil. 2018. 15 min. Drama. Sem classificação. Com Camilla Ferreira e Rodolfo Lima.  A história de Katharina e Alice se interligam quando Katharina se depara em um novo mundo de romances via aplicativos de celular.

ATOS – Título provisório

De Beatriz Kestering Tramontin. Brasil. 2018. 11 min. Documentário. 14 anos. Mulheres encurraladas no labirinto escuro da privação social se manifestam pela liberdade e representação das mulheres no audiovisual e na mídia.

CICLOS LATINOAMERICANOS

Dia 23, terça-feira, às 19h

Abel

De Diego Luna. México. 2010. 82 min. Comédia/Drama. Sem classificação. Com Christopher Ruíz-Esparza, Karina Gidi e José María Yazpik.

Abel, um menino autista criado em um centro de atendimento, volta para casa com a mãe e os dois irmãos e passa a se ver como chefe da família.

ART 7: O OLHAR DAS CRIANÇAS SOBRE O MUNDO

Dia 24, quarta-feira, às 19h

O garoto selvagem

(L’enfant sauvage) de François Truffaut. França. 1970. 83 min. Drama. Sem classificação. Com Jean-Pierre Cargol, François Truffaut e Françoise Seigner.

Um menino incapaz de falar, andar, ler ou escrever é encontrado nu em uma floresta na França, vivendo com lobos. Ele é levado para Paris e um médico tenta ajudá-lo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.