Primeiro, os interesses do Império

Brasília – DF, 27/09/2016. Presidente Michel Temer recebe Pedro Parente, Presidente da Petrobras. Foto: Marcos Corrêa/PR

            Com a nova política de reajuste de preços dos combustíveis da Petrobrás, que atrelou os reajustes de preços dos combustíveis à variação internacional, os preços ficaram mais altos e aumentou significativamente a importação de derivados por concorrentes da empresa. As refinarias no Brasil, chegaram a funcionar com apenas um quarto da capacidade instalada e hoje atuam com apenas 50% da capacidade de refino, em média.

Por José Álvaro de Lima Cardoso.

            Segundo dados da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET), a importação de diesel se multiplicou por 1,8 desde 2015, e as importações do derivado dos EUA, que em 2015 correspondia por 41% do total, em 2017 superou 80% do total importado. A política adotada para os derivados na Petrobrás a partir do golpe, favoreceu os produtores norte-americanos, os chamados “traders”, os importadores e os distribuidores de capital privado no Brasil. No outro lado, perderam a Petrobrás, os consumidores brasileiros, a União e os estados da Federação. É difícil engolir que uma política com essas características esteja sendo desenvolvida por “equívoco” ou “incompetência”. É política deliberada, pensada, para favorecer os acionistas internacionais, em detrimento de 99,5% da população brasileira. De quebra, coloca, inclusive, a população contra a empresa pública.

             Como não é possível simplesmente privatizar a companhia em função da reação política que isso poderia causar (pela simbologia histórica), optaram, sem alarde, por uma política de desmantelamento da empresa. Os dados estão à disposição dos interessados: o governo já entregou para estrangeiros 30 ativos estratégicos da Petrobrás, o que inclui: campos do pré-sal (alguns vendidos para estatais estrangeiras), sondas de produção, redes de gasodutos, distribuidoras de gás, termoelétricas e usinas de biocombustíveis. A previsão da FUP é que os golpistas passarão a atacar agora as refinarias, com a venda de 60% de quatro unidades essenciais: REPAR (PR), Abreu e Lima (PE), RLAM (BA) e Refap (RS). Somente a venda dessas quatro unidades irá afetar o emprego de 3.700 trabalhadores. Mas o pacote inclui ainda 24 dutos e 12 terminais.

            Os fatos, que independem da nossa vontade, dão sempre a tônica e a direção do processo. Certamente não é por acaso que o petróleo é, ao que tudo indica, a principal motivação do golpe no Brasil (talvez não para o business, mas para o governo estadunidense, sem dúvida). Combustíveis fósseis respondem por 86% da matriz energética mundial, sendo que os renováveis são apenas 2,8%. Do consumo mundial verificado em 2015, o petróleo (32,9%), o carvão (29,2%) e o gás natural (23,8%) totalizaram 86% do total. Enquanto a energia hidroelétrica (6,8%), a nuclear (4,4%) e os renováveis (2,8%) constituem os 14% restantes[1]. Os combustíveis de origem fóssil, petróleo, carvão e gás natural são, portanto, fundamentais para o suprimento mundial. A propriedade e o uso das fontes de energia, o que significa o domínio das fontes dos combustíveis fósseis, garantem vantagem econômica, política e militar aos países, corporações ou sociedades que disputam os recursos cada vez mais escassos do planeta.

              A relação entre a apropriação e uso das fontes de energia e sua relação com a política, em todos os seus aspectos, principalmente o militar, é direta. A razão é muito simples: sem energia não tem economia, sem economia não tem nação. O golpe no Brasil teve como um dos principais motivadores a cobiça por fontes de energia como um todo, porém foi perpetrado também para interromper a viabilização, a partir de várias frentes, da soberania energética brasileira, para a qual são importantes todas as fontes de energia. As reservas do pré-sal, e outras matérias primas estão no centro das motivações. Mas precisavam, também, impedir que o Brasil atingisse a condição de soberania energética. O roteiro é conhecido: converter o Brasil em mero provedor de matérias-primas para o mundo desenvolvido e, ao mesmo tempo, transformar definitivamente o pais em importador de derivados do petróleo e de produtos industrializados em geral.

             Os EUA têm uma necessidade dramática de fontes de suprimentos, na medida em que é o maior consumidor de petróleo do mundo, mas não produz em quantidade suficiente para suprir o consumo do país. O petróleo barato de produzir não tem nenhum substituto, e o mundo já há algum tempo sofre as consequências políticas, sociais e militares deste problema. Como nos ensinam os especialistas, a produção de petróleo não convencional (o chamado shale oil, produção a partir de xisto betuminoso), vem apenas adiando um pouco o momento em que a produção mundial de combustíveis irá diminuir em termos absolutos.

            Recentemente o ex-embaixador Samuel Pinheiros Guimarães afirmou que o representante de Wall Street no Brasil, do chamado business, é o Henrique Meirelles. Assim, questões como privatizações de empresas estratégicas, corte de gastos públicos, destruição de empresas de capital nacional, isso é função do Meirelles, representante no governo, do capital privado e do sistema financeiro estadunidense. Porém, na interpretação do embaixador, o representante do Estado norte-americano é Pedro Parente. O Estado norte-americano busca permanentemente ter fontes garantidas de suprimento de energia, de boa qualidade, próximas ao EUA, que é o pré-sal brasileiro. Esta é a missão principal de Pedro Parente.

[1] Ver o artigo “Energia e Desenvolvimento Soberano em Dez Lições, de Felipe Coutinho, 2017).

José Álvaro Cardoso é economista e supervisor técnico do DIEESE em Santa Catarina.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.