Primeira leva de médicos cubanos deixa o Brasil

O voo fretado da estatal cubana de aviação decolou com mais de 200 profissionais na manhã desta sexta 23.

Foto: Valter Campanato

Por Johannes Myburgh.

Centenas de médicos cubanos começaram a abandonar o Brasil na madrugada desta sexta-feira 23, com destino a Havana, depois da decisão de seu governo de suspender a participação no programa Mais Médicos, devido às críticas do presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Com várias horas de atraso, o primeiro voo fretado da estatal Cubana de Aviação decolou de Brasília com mais de 200 profissionais. Outro grupo viajará nas próximas horas, em um total de 430 profissionais. Assim, começa a retirada dos mais de 8.300 cubanos que atuavam no programa e que devem sair do Brasil até 12 de dezembro.

Carregando volumosa bagagem, incluindo muitos eletrodomésticos (difíceis de adquirir em Cuba), os médicos cubanos se aglomeraram no aeroporto de Brasília desde o início da tarde.

“Nas primeiras horas desta sexta-feira começarão a chegar à Pátria os apóstolos da saúde cubana que são #MasQueMedicos. Nossa homenagem a estes homens e mulheres que fizeram história no Brasil. Bem-vindos para casa”, escreveu no Twitter o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, que deve receber os médicos no aeroporto.

Essa primeira leva de médicos parte apenas uma semana após Cuba anunciar  que abandonaria o programa Mais Médicos, do qual participava desde sua criação, em 2013, através da Organização Pan-Americana da Saúde (OPS).

A decisão de Havana foi provocada pela posição de Bolsonaro de condicionar a permanência dos médicos cubanos à aprovação em exames para revalidar suas competências, ao recebimento dos salários integrais e à autorização para a vinda de suas famílias ao Brasil.

“Eu acho que é um pouco ruim para o povo brasileiro, principalmente para o povo pobre, que se va a sentir a falta dos 8.500 médicos cubanos que estão indo embora”, declarou o médico Joendri Vera Fernández enquanto aguardava para despachar sua bagagem.

Programa

Lançado em 2013 pela presidente Dilma Rousseff, o programa Mais Médicos permitiu dar assistência à população das regiões mais pobres e rurais do Brasil, principalmente graças à chegada de profissionais cubanos, que atualmente ocupavam metade dos postos do programa.

No contrato, a Ilha pagava um salário aos seus médicos em missão de cerca de 30% do valor desembolsado pelo Brasil, mantendo seus salários e postos de trabalho em Cuba e dedicando o restante do dinheiro ao orçamento estatal.

“É a situação de praticamente escravidão a qual estão sendo submetidos os médicos e as médicas cubanas do Brasil. Imaginou confiscar da senhora 70% do seu salario?” – questionou Bolsonaro.

O Ministério da Saúde abriu inscrições para preencher as vagas com médicos brasileiros e, posteriormente, com profissionais estrangeiros.

O processo de seleção terminará este mês e os profissionais vão se apresentar aos municípios imediatamente.

Os médicos e paramédicos cubanos trabalham em 67 países, uma prática iniciada nos primeiros anos da revolução de Fidel Castro em 1959 e que foi qualificada como “diplomacia de jalecos brancos”.

Estes serviços representam a principal fonte de renda da ilha, com 11 bilhões de dólares ao ano, acima do turismo e das remessas do exterior, embora em muitos casos Cuba ofereça cooperação gratuita, como acontece no Haiti.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.