Por que dizer que alguém é gay ou lésbica é encarado como xingamento?

Publicado em: 06/04/2014 às 11:42
Por que dizer que alguém é gay ou lésbica é encarado como xingamento?

olhoPor Leonardo Sakamoto.

Sabemos que dizer que alguém é “gay” ou “lésbica” em uma sociedade heteronormativa e machista como a nossa pode carregar uma montanha de intenções negativas. O significado não é apenas a orientação sexual, mas todo um pacote de comportamentos fora do padrão que foram equivocadamente imputados a esses grupos ao longo do tempo.

O que não é aleatório, mas sim uma forma de separar o certo e o errado, o quem manda e quem obedece, ditados pelo grupo hegemônico. Como as piadas, que existem em profusão para rir de gays, travestis, negros, mulheres, terreiros, pobres, imigrantes e raramente caçoam de pessoas ricas ou famílias de comerciais de margarina na TV.

Mas imagine se isso não acontecesse, se a orientação sexual ou identidade de gênero de uma pessoa não fizesse diferença alguma porque, na prática, não faz mesmo. Se assim fosse, caso alguém dissesse que um jogador de futebol é gay, ninguém se abalaria.

O ator George Clooney que, vira e mexe, tem a sexualidade tornada motivo de pauta pela imprensa sensacionalista, afirmou que não desmentia os boatos de que seria gay porque isso seria uma atitude grosseira com seus amigos gays e com os homossexuais em geral. Pois ser gay não é algo ruim ou vergonhoso e, para ele, não faz diferença pessoas ficarem em dúvida quanto a sua orientação sexual.

É claro que as torcidas organizadas (sic) de futebol quando entoam coros chamando determinados jogadores de “bicha”, que é um termo depreciativo, têm o intuito de transformar uma orientação sexual em xingamento. Reforçam, dessa forma, que ser “bicha” é ser ruim, ser frouxo, medroso, incapaz e tantos outros elementos acrescidos ao significado falsamente aos gays ao longo do tempo.

Nesse caso, o uso da expressão não está atacando apenas o jogador (independentemente da orientação sexual do esportista), mas toda a coletividade, pois reforça preconceitos e questiona a dignidade de determinado grupo.

Fazendo um paralelo simples: um estádio inteiro gritando que um jogador negro é “negro” não é simples observação da realidade, mas quer passar um recado cuja intenção não é das melhores. Tem significado diferente de gritar que um jogador branco é “branco”. Pois sabemos bem que a sociedade dá pesos diferentes a negros e brancos e que o racismo ainda grassa por aqui. Nesse sentido, ataques coletivos deveriam ser analisados com rigor pela Justiça, aplicando punições didáticas para o clube da torcida em questão.

As escolas e a mídia têm um papel importante nesse processo. Ou seja, pelo que dizemos e o que deixamos de dizer. Já passou do momento de sairmos de nossa zona de conforto e educarmos nossos filhos para viverem sem medo. E não para serem inimigos de quem não usa o pênis para dominar o mundo.

Gostaria muito de estar vivo para chegar ao dia em que tudo isso seja tão normal que passe batido. Talvez, nesse mundo futuro, ninguém se sinta ofendido ou ofenda por algo que deveria suscitar o mesmo debate que o tom do branco do olho.

Fonte: Blog do Sakamoto.

Deixe uma resposta