Ponte sobre Amazonas é “projeto de morte” de Bolsonaro

Plano inclui construção de usina hidrelétrica, ponte sobre trecho estreito da Amazônia e extensão de rodovia até a fronteira com o Suriname

Por Dom Phillips, no The Guardian.

Da varanda de sua casa de madeira, Joaci da Silva olhou para o jardim em direção às águas do rio Amazonas e estremeceu ao pensar no futuro.

“Hoje vivemos em um paraíso”, disse ela.

Mas o futuro desse paraíso está em dúvida depois que o presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, apoiou os planos de construir uma ponte sobre o rio e estender uma estrada movimentada centenas de quilômetros através de florestas protegidas.

“Sabemos que haverá um grande impacto”, disse Da Silva, 51 anos, que – como muitas pessoas na pequena comunidade ribeirinha de Santíssima Trindade – teme que o projeto traga crime, ruído e poluição. “Isso trará alguns benefícios e empregos, mas haverá devastação.”

A uma curta viagem de barco de sua casa fica a pitoresca represa colonial de Óbidos; além disso, existem 500 km de floresta tropical que se estendem até o Suriname – a “Calha Norte”, ou “Zona Norte” do estado do Pará.

Oficiais militares do governo dizem que a região deve ser estabelecida e desenvolvida, como aconteceu em outras partes da Amazônia durante a ditadura militar brasileira (1964-1985), período reverenciado por Bolsonaro.

Juntamente com os benefícios econômicos, eles argumentam que a população da Calha Norte também poderia ajudar a defender o território brasileiro – até aumentando o espectro de uma suposta ameaça representada por migrantes chineses no Suriname.

O plano – conhecido como programa Barão Rio Branco – revisa um elaborado esquema de infraestrutura proposto pela primeira vez em 1953, que inclui a construção de uma grande usina hidrelétrica, a construção de uma ponte sobre esse trecho estreito da Amazônia e a extensão de uma rodovia principal até a fronteira com o Suriname.

O governo dos EUA ofereceu brevemente apoio a alguns dos planos por meio de um esquema de “megaprojetos” da Amazônia, administrado por uma empresa privada de fomento da agência de desenvolvimento USAid, mas esse programa foi encerrado em dezembro sob pressão de organizações indígenas e grupos ambientais.

Bolsonaro e seus ministros dizem que os 23 milhões de habitantes da Amazônia querem desenvolvimento e argumentam que a redução da pobreza combaterá o crescente desmatamento. Mas ambientalistas, líderes indígenas e ribeirinhos como Joaci da Silva estão profundamente consternados com o projeto.

Três quartos da Zona Norte do Pará consistem em áreas protegidas e reservas indígenas. Ambientalistas dizem que a construção de uma auto-estrada vai abrir a região até madeireiros, wildcat mineiros e grileiros, como aconteceu mais ao sul da Amazônia onde a mesma estrada – BR-163 – fronteiras uma das áreas de conservação mais devastadas no Brasil, a Jamanxim floresta.

A BR-163 conecta o estado agrícola do Mato Grosso aos portos da Amazônia, Miritituba e Santarém, e em novembro o exército terminou de asfaltar sua última seção não pavimentada. O plano inclui duas rotas alternativas para ligar a estrada à ponte proposta em Óbidos e aponta para o norte.

Os povos da floresta vêem a estrada como uma ameaça. “Isso trará invasões de terra e saques de minerais e madeira”, disse Juventino Kaxuyana, líder da remota reserva indígena Kaxuyana-Tunayana – lar de grupos indígenas isolados voluntariamente – pelos quais a rodovia atravessará.

“A Amazônia está pedindo ajuda”, disse Ivanildo de Souza, presidente de Cachoeira Porteira, um assentamento fundado por descendentes de escravos, ameaçado por uma usina hidrelétrica incluída no plano.

O governo de Bolsonaro começou a trabalhar no programa Barão Rio Branco depois que ele assumiu o cargo em janeiro de 2019. Maynard Santa Rosa, general do exército encarregado do esquema, disse que o governo estava trabalhando para integrar a Zona Norte – acrescentando que a área era “ ainda um deserto “.

Desde então, Santa Rosa renunciou – mas não antes de discutir em uma reunião na capital do estado, Belém, em abril passado, que o programa protegeria o país de uma invasão putativa de migrantes chineses no Suriname. Atualmente, existem 14.000 chineses no Suriname, 2% da sua população de 583.000. A população do Brasil é de cerca de 210 milhões. Os detalhes da reunião foram publicados pela The Intercept e Open Democracy .

Numa manhã recente, alguns em Óbidos estavam entusiasmados com os planos. A maioria das pessoas vive da pesca, trabalha na prefeitura ou em duas plantas de processamento de castanha do Brasil.

“Isso melhoraria as coisas para a cidade”, disse Jean Reis, 45 anos, cortando fileiras irregulares de barbatanas do cujuba preto que estava vendendo à beira-mar. No museu empoeirado da cidade, Regina Figueira, 56, disse esperar que a ponte revive tempos prósperos, quando a cidade era um porto importante. “As pessoas tinham mais poder de compra”, disse ela.

Em agosto, um grupo de oficiais militares chegou a Óbidos para promover o esquema. Eles disseram ao prefeito, Francisco Alfaia, que a população de áreas ao redor da rodovia protegeria a Zona Norte de ser “colonizada” por ONGs estrangeiras.

O argumento não conseguiu convencê-lo. “Eles não explicaram muito bem”, disse Alfaia. “Não vejo quais benefícios isso nos traria.”

As dúvidas de Alfaia foram alimentadas por sua própria experiência em outra região amazônica, atingida por um ambicioso projeto de desenvolvimento.

Ele já trabalhou como gerente de banco em Altamira, a cidade do Pará cuja população quase dobrou após a construção da gigantesca usina hidrelétrica de Belo Monte nas proximidades. As comunidades ribeirinhas foram inundadas e os moradores agora vivem em favelas urbanas cheias de crimes . A taxa de homicídios aumentou mais de 1.000%.

“Vamos transformar nossa cidade em um monte de favelas enquanto a prostituição e os roubos crescem”, disse Alfaia.

Os policiais também visitaram Nélio Aguiar, prefeito do porto próximo de Santarém, que também era cético em relação ao plano, que inclui a construção de várias usinas hidrelétricas.

Leia também:  Manchetes de jornais dos EUA

“O Brasil não pode ser refém desse modelo de energia”, disse Aguiar, defendendo fontes de energia mais sustentáveis.

Quando abordado para comentar, o departamento de assuntos estratégicos do governo brasileiro apontou uma declaração em seu site.

“O programa Barão Rio Branco ainda está em discussão”, afirmou. “A expectativa é que um cluster de desenvolvimento seja possível, aumentando a presença de instituições estatais na região”.

Grupos ambientalistas e líderes indígenas têm repetidamente alertado sobre o programa. A articulação dos povos indígenas brasileiros chamou de “ atrocidade ” que violava os direitos indígenas consagrados na constituição brasileira de 1988.

Auricélia Arapiun, 32 anos, estudante de direito e líder indígena em Santarém, disse que, em vez de desenvolver a região, os planos do governo “tornariam a Amazônia um deserto”.

“Este é um projeto de morte”, disse ela.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.