Pesquisa mostra que Programa Mais Médicos fez a diferença na vida da população carente

Pesquisa mostra que Programa Mais Médicos fez a diferença na vida da população carente

Por Jaqueline Silveira*.

Em 2013, médicos estrangeiros começaram a aterrissar em solo brasileiro para trabalharem nas periferias das cidades e comunidades distantes, em meio a muitos protestos de entidades que representam os profissionais do país. Passados três anos, dados científicos apontam que o programa Mais Médicos, do governo federal, fez a diferença na vida das populações menos assistidas do país. Pesquisa realizada pela Rede Observatório do Mais Médicos, constituída por 14 instituições, 11 delas universidades federais, apontou que mais de 60 milhões de brasileiros tiveram o acesso à saúde facilitado a partir do programa.

Os números revelam, ainda, que, nos municípios onde o programa foi implantado houve uma redução nas internações. No período entre 2013 e 2014, foi registrada uma queda de 4% a mais em comparação com municípios que não implementaram o programa. Em 2015, estima-se que 91 mil brasileiros deixaram de ser internados. O resultado é graças ao trabalho de 18.240 médicos de mais de 40 países em 4.058 municípios brasileiros e 34 distritos indígenas. No Rio Grande do Sul, são 1.194 profissionais atuando em 381 cidades.

O levantamento, feito entre janeiro de 2013 e janeiro de 2015 pela Rede Observatório nas cinco regiões do país, revela, ainda, que o número de consultas subiu para 33% nos municípios que contam com o trabalho desses médicos, enquanto que nas cidades que não implantaram o programa, o índice é de 15%.

Coordenador da Rede Observatório e professor do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS), Alcindo Ferla disse que foi feita uma pesquisa criteriosa com análise e comparativos de indicadores. Os dados, segundo ele, não deixam dúvida da grande contribuição do Mais Médicos, que, de acordo com o levantamento, permitiu a ampliação da cobertura da atenção básica e do programa Estratégia da Saúde da Família (ESF), bem como o acesso da população ao  atendimento em regiões mais carentes do país.

A pesquisa apontou também que ocorreu um aumento dos procedimentos médicos nas próprias unidades básicas de saúde, como a realização de uma sutura ou a retirada de uma unha. “O escopo de prática ampliou bastante e ampliou bastante na atenção básica. O fato de ter uma unidade básica resolutiva, a comunidade procura mais”, observou Alcindo. O trabalho desses profissionais nas equipes, conforme o professor, foi fundamental para a redução das internações, uma vez que foi possível fazer uma avaliação nas unidades e só fazer o encaminhamento aos hospitais de pacientes que realmente tinham necessidade. “Para nós todos foi um impacto a redução das internações. Não houve uma redução de ofertas de leitos pelo fechamento de hospitais, mudou foi o perfil das internações”, explicou o coordenador da Rede Observatório, acrescentando que pacientes com doenças sensíveis, como diabetes e pressão arterial, começaram a ser tratados nas unidades, contribuindo para a queda das internações.

Programa cumpriu seu papel

A partir dos dados coletados, afirmou o professor, o programa cumpriu a função para o qual foi criado, com médicos alocados de acordo com os critérios de prioridade, com ampliação da oferta e acesso em regiões e municípios mais carentes do país, bem como dos atendimentos e dos procedimentos práticos. “Um programa que coloca na cidadania mais de 50 milhões de brasileiros, só por esse número não precisaria falar muito mais da importância ou do quanto é estratégico para a vida do povo brasileiro o programa como o Mais Médicos”, avaliou o presidente do Conselho Nacional de Saúde, Ronald Santos. Na opinião dele, a iniciativa vai muito além, já que pesquisas apontam que a população mais desassistida teve acesso não só a médico, mas ao tratamento, à assistência farmacêutica.

O programa Mais Médicos foi lançado em julho de 2013 e, em agosto, por meio de um acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) garantiu a vinda de médicos cubanos para o preenchimento de vagas inicialmente ofertadas a brasileiros e profissionais de outras nacionalidades. Os cubanos foram trabalhar, principalmente, em lugares onde os demais médicos se recusaram atuar. Esse foi o caso de São Gabriel da Cachoeira, município situado no extremo noroeste do Amazonas, fronteira com Colômbia e Venezuela. “É um lugar com superlimitações”, comentou Alcindo.

Impacto com a morte de crianças

Na cidade, segundo o professor Alcindo, nenhum profissional brasileiro ou de outro país, exceto de Cuba, quis ir trabalhar. Antes da chegada de sete médicos cubanos em São Gabriel da Cachoeira, conforme o coordenador da Rede Observatório, a Secretaria Municipal de Saúde mantinha duas equipes da Estratégia da Saúde da Família “comprando horas” dos médicos do Exército, após cumprirem a carga horária no quartel. “Os caras conseguiram dar uma virada estratosférica nos índices de mortalidade infantil”, destacou o professor, que chegou a pedir os registros para analisar, durante visita à cidade, para se certificar que não havia ocorrido nenhum equívoco nas estatísticas.

Ainda durante a visita, o professor da UFRGS foi surpreendido com a resposta dos cubanos ao questioná-los sobre o que havia mais impressionado no Brasil. Na visão do coordenador da Rede Observatório, seriam os protestos na chegada deles em solo brasileiro. “Todos responderam que assistir a óbitos de crianças era a experiência mais traumática”, contou Alcindo, enfatizando que, como Cuba tem um dos menores índices de mortalidade infantil, os profissionais não estavam habituados com esse tipo de situação.

A capital gaúcha também recebeu médicos estrangeiros, muitos deles cubanos que supriram a falta de profissionais nos postos das periferias. Otto Torres, por exemplo, trabalha na unidade Estratégia da Saúde da Família Castelo no bairro Restinga, zona sul de Porto Alegre. Depois de três anos trabalhando no local, ele se prepara para voltar a Cuba. “A nossa relação com a comunidade é ótima. Desde o começo, a acolhida no Brasil foi muita boa. Agora, a gente vai embora, venceu os três anos”, comentou Otto, que veio para o país na segunda turma, em outubro de 2013.

Ele afirmou que “aprendeu a forma de trabalhar daqui” e o funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS). Ao mesmo tempo, os estrangeiros implementaram sua forma de trabalhar no país, priorizando a proximidade com o paciente, o que não ocorre muitas vezes com os médicos brasileiros com a realização de consultas rápidas. “Muitos pacientes falam que o atendimento é muito diferente, muitas vezes nos abraçam depois da consulta”, contou o médico da unidade Castelo, sobre a relação deles com as pessoas que passam pelo consultório. “Vou sentir saudades de muitas coisas do Brasil,” concluiu Otto.

Mais brasileiros interessados

Mas o número de médicos estrangeiros no país deve ser reduzido depois das eleições, como já adiantou o Ministro da Saúde, Ricardo Barros, sob o argumento de priorizar os profissionais brasileiros. No entanto, frisou o coordenador da Rede Observatório, a legislação do país prioriza os brasileiros e que só são preenchidas por estrangeiros as vagas em que os profissionais daqui não demonstrarem interesse. Ultimamente, segundo o professor da UFRGS, há um maior interesse de brasileiros para vagas em “regiões mais fáceis” ou metropolitanas. Um dos fatores, apontou ele, para esse interesse estão ligados a políticas de cotas. “As cotas mudaram muito o perfil da entrada nas universidades”, observou o pesquisador.

|Foto: Reprodução:Rede Observatório

|Foto: Reprodução Rede Observatório

|Foto: Reprodução: Rede Observatório

(*) Com informações da Rede Observatório.

Foto: Reprodução/SUL 21

Fonte: SUL 21

 

Você precisa estar logado para postar um comentário Login