Pedreiro que tatuou “ladrão” em testa de jovem já cumpriu pena por roubo

Publicado em: 13/06/2017 às 10:19
Pedreiro que tatuou “ladrão” em testa de jovem já cumpriu pena por roubo

Por Luiza Sansão e Paulo Eduardo Dias.

Um dos dois homens presos na sexta-feira (9/6) pela Polícia Civil, acusados de torturar um jovem de 17 anos no dia 31 de maio deste ano, tatuando em sua testa a frase “sou ladrão e vacilão”, o pedreiro Ronildo Moreira de Araújo, de 29 anos, já cumpriu pena por roubo.

Segundo decisão em segunda instância do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo), Ronildo e outro homem roubaram, em 22 de novembro de 2008, uma bolsa contendo objetos pessoais, cartões bancários e um celular, pertencentes a uma mulher. Em 2011, Ronildo foi condenado por roubo a cinco anos e quatro meses de reclusão, no regime inicial semiaberto, além do pagamento de 13 diárias de multa, no valor mínimo.

O jovem de 17 anos que foi torturado pelo pedreiro Ronildo Moreira de Araújo, 29 anos, e seu vizinho Maycon Wesley Carvalho dos Reis, 27, no centro de São Bernardo, no ABC (SP), em 31 de maio deste ano, foi encontrado na noite de sábado (10/06), depois que, na última semana, uma foto e dois vídeos em que ele aparece com a frase tatuada na testa viralizaram em várias redes sociais. À Polícia Civil, Araújo e Reis admitiram que torturaram o jovem depois de suspeitarem de que ele havia furtado uma bicicleta.

“Eu não entendi o que ele fez com meu sobrinho, sendo que ele foi um cara que errou no passado também. O que ele fez no passado, não tem comparação com que o meu sobrinho fez. Essa passagem me surpreendeu. Roubo é uma coisa mais agravante do que meu sobrinho fez. Ele condenou meu sobrinho numa situação que ele estava fora de si”, diz o ajudante de pedreiro Vando Aparecido Rocha, 33 anos, em entrevista à Ponte.

Ainda segundo o tio do adolescente, que é reconhecido pelas pessoas do bairro em que vive com a família como um jovem que tem problemas de saúde desde criança, o menino estava sob efeito de álcool e outras substâncias e entrou na pensão porque procurava um local para dormir, e não para roubar a bicicleta. Foi quando um vizinho o teria avistado e chamado Araújo e Reis.

Para o advogado Ariel de Castro Alves, que está em contato com a família do adolescente, “é uma ironia, alguém com um crime mais grave nos seus antecedentes, um roubo com violência e grave ameaça, punindo por meio de tortura um adolescente suspeito de tentativa de furto, não confirmada pela polícia, que precisa de tratamento de saúde para superar a dependência de drogas e o alcoolismo”.

“Muitos dos disseminadores de ódio na internet e que estavam apoiando os acusados se surpreenderão com essa notícia sobre os antecedentes de um dos agressores”, afirma Alves à Ponte.

Outro lado

A reportagem tentou contatar o advogado Benedito Pontes Eugênio, que defendeu Ronildo Moreira de Araújo à época do processo por roubo, mas não conseguiu encontrá-lo.

Fonte: Ponte Jornalismo.

Deixe uma resposta