Peça de Kelson Succi ‘Cuidado Com Neguin’ Foi Sucesso na Casa Rio

Do dia 2 a 24 de agosto, a peça “Cuidado Com Neguin” esteve em cartaz na Casa Rio, em Botafogo. O projeto demorou cerca de um ano para sair do papel, sendo possível graças a 70 colaboradores e uma campanha de financiamento coletivo. A peça busca ser acessível a todos os públicos e, portanto, conta com uma bilheteria aberta, na qual o espectador contribui com o quanto pode.

peça criada e interpretada por Kelson Succi, cria do Complexo do Alemão, conta a história de um “neguin” que passa por todas as dificuldades impostas pelo racismo da sociedade. Com um tom às vezes engraçado, às vezes irônico e às vezes triste, Kelson emociona a plateia com tamanha facilidade, apontando com clareza situações racistas do dia a dia. O próprio termo “neguin” como nome do protagonista expõe a generalização frequente e negativa dos negros.

A interação com a plateia também é importante. Sendo um monólogo em um espaço pequeno, Kelson consegue criar uma intimidade com todos os presentes, olhando no olho de cada um e fazendo perguntas, batendo na mão e até pedindo ajuda. Em uma cena, o ator cumprimenta um homem branco da plateia e diz: “E aí, branquin? Tudo nosso? Ou tudo seu?”

O interessante da peça é que ela mostra várias perspectivas da vida de um “neguin”, nenhuma livre de racismo. Por exemplo, há o “neguin” ostentação, que ganhou dinheiro com o funk e hoje é criticado pelo seu estilo. Tem o neguin sofisticado com echarpe e óculos escuro, que se apaixonou por um homem rico na Farme de Amoedo e esqueceu do seu passado. Também há o “neguin” que toma um chope com os amigos no Leblon, resolve ir no BB Lanches comprar um pão de queijo e assusta uma moça branca, que segura sua bolsa mais forte e apressa os passos. Afinal, tem que ter cuidado com o “neguin”!

Além de denunciar comportamentos racistas, Kelson busca mostrar o privilégio dos brancos na sociedade. Em uma das primeiras cenas, o protagonista tenta abrir uma porta trancada e, ao pedir ajuda a um homem branco da plateia, a porta se abre facilmente. Essa metáfora é posteriormente mais explorada durante a peça ao criticar “branquins” que passam anos em universidades para entender a escravidão e pensam que entendem mais do que os próprios “neguins”.

O objetivo da peça é abrir um diálogo que denuncie o racismo e mobilize a sociedade para causar mudanças. Kelson consegue com pouco espaço, figurino e cenário passar uma mensagem de extrema importância, carregada de indignação. Finda esta primeira temporada Kelson anuncia: “E vai ter mais NEGUIN no palco em breve! Cola no bonde!”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.