Pablo Neruda em Isla Negra

Por Sally Satler.

Quando estive no Chile em 2012, fiquei encantada quando avistei a Cordilheira dos Andes circundando a cidade de Santiago. É difícil descrever a emoção que senti ao subir o Valle Nevado.

Mas o que despertou o interesse em conhecer um pouco da história do Chile, foi quando chegamos à casa de Pablo Neruda, aquela que o poeta viveu o que considerou os melhores anos de sua vida. Fica em Isla Negra, uma pequena vila de pescadores do litoral chileno, a duas horas de Santiago. O nome do lugar foi ele quem deu, por causa das rochas negras que margeiam o mar e por proporcionar um certo isolamento. Ali viveu com Matilde, a amada que assumiu após divorciar-se da primeira esposa.

O local exala a paixão e personalidade de Neruda. Das três casas do escritor, essa seria a que mais representa as suas idéias poéticas, e talvez por isso foi escolhida como inspiração para o filme “O carteiro e o Poeta”.

Pablo neruda em isla negra - vista pro mar - casa e sinos
Foto: Reprodução

Ao adentrar na casa, somos transportados a vários mundos através de suas coleções e souvenirs trazidos de toda a parte, como quem deseja guardar consigo fragmentos de memórias felizes das viagens que fez nos períodos de exílio e quando foi cônsul no governo Salvador Allende. Entre barquinhos, conchas, areia, cachimbos, estátuas e tantos outros objetos, a arquitetura da casa chama muito a atenção: foi construída de maneira que todos os cômodos tivessem vista para o mar – a forma comprida e desalinhada da casa acompanha o sinuoso desenho da orla da praia. A casa é um testemunho da cumplicidade de Neruda com o mar, a mesa na qual escreveu muitas de suas poesias e outros escritos veio do mar, tal qual um presente que sela um pacto entre os dois. Numa manhã, após uma noite de tempestade, Neruda avistou a madeira de embarcação flutuando perto dos rochedos. Matilde e ele correram para resgatá-la, para transformá-la em mesa.

Foto: Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal

Passando por lá, deu pra conhecer mais desse poeta, sua força, ternura e a imaginação que nos encantou e ainda encanta, de seus versos não só apaixonados, mas também engajados. A sua luta e o apoio ao presidente Salvador Allende, a sua poesia, serviram também para mostrar ao mundo o sofrimento do povo chileno com o golpe militar liderado por Pinochet, ocorrido em 11 de setembro de 1973. Pablo Neruda faleceu doze dias após o golpe, em Santiago, e a causa oficial foi uma septicemia causada pelo câncer na próstata. Porém, o Tribunal de Apelação de Santiago fez uma exumação do corpo em abril deste ano (2013), a fim de investigar se o poeta foi morto em decorrência do câncer ou se foi assassinado com uma injeção letal. As análises toxicológicas ainda não foram concluídas.

Logo após a sua morte, as casas dele em Valparaíso e Santiago foram saqueadas e destruídas pelo regime militar. Mesmo em meio aos escombros, Matilde fez o velório do poeta em Valparaíso, a fim de mostrar ao mundo o que estava acontecendo em seu país. Neruda foi sepultado num túmulo anônimo no cemitério central de Santiago e teve sua obra censurada pela ditadura. Apenas dezenove anos depois, com a democracia já restaurada, é que o poeta teve atendido o desejo de ser enterrado em Isla Negra. O túmulo fica nos jardins da antiga casa, diante do Pacífico, e tem a forma de uma proa de navio.

Foto: Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal

Era muito frio quando visitamos Isla Negra. Mesmo assim fiz questão de chegar até a frente da casa, para ver de perto o mar de Neruda, com as ondas quebrando sobre as rochas negras e os sinos da casa tocando. Foi assim que senti sua poesia em mim.

Se cada dia cai, dentro de cada noite,

há um poço

onde a claridade está presa.

há que sentar-se na beira

do poço da sombra

e pescar luz caída

com paciência.

(Últimos Poemas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.