Onde está o Uby?

dino

Por Dinovaldo Gilioli, para Desacato.info.

Lembra daqueles livros da série Onde está Wally? Havia uma multidão desenhada na mesma página e no meio daquela muvuca o leitor ou curioso tinha que encontrar aquele carinha de blusa listrada, óculos e gorro. O livro fez tanto sucesso que gerou uma série animada e uma tira de jornal. O Wally eu não conheço, e nem sei se existe na vida real ou se é apenas fruto da imaginação de seu criador. A verdade é que o Wally e o Uby (que eu conhecia) tinham algo em comum: gostavam de ser percebidos, notados no meio da multidão. Mas afinal, quem não gosta de ser notado? Desde o mais humilde e acanhado vivente da espécie humana até o mais vaidoso e extravagante ser gosta de ser reconhecido, de ser percebido.

No mundo das modernas e admiradas máquinas, dos apelos visuais e midiáticos constantes o ser humano tem se esforçado sobremaneira para não virar coisa, para não ser apenas mais uma mercadoria disponível nas grandes redes de consumo. Neste sentido, o desejo e a necessidade de ser notado ganha outra dimensão e ultrapassa o campo da vaidade. Se colocar diante do mundo como um ser que sonha, que luta para sobreviver com dignidade, que é reconhecido e respeitado tem sido a grande tarefa dos ditos animais racionais.

O Uby era assim; simplesmente alguém que ousava sobreviver da sua arte, que acreditava utopicamente, mesmo nesta sociedade capitalista e violenta, que a poesia poderia salvar o mundo e ajudar os seres humanos a serem melhores e mais felizes. De bar em bar, de esquina em esquina da capital catarinense ia ofertando e vendendo a sua arte poética. Da poesia não procurava apenas extrair o seu sustento material e o de sua família, mas também a sua razão de viver. Nela depositava a crença e a esperança de um mundo mais humanizado.

Engana-se quem pensa que o Uby era um irresponsável desvairado, ele sabia e vivia a dureza do mundo real. Mas, ao não se conformar com isto e com as injustiças pregava, feito profeta, o mundo poético; onde homens e mulheres pudessem se enxergar verdadeiramente como seres humanos. A última vez que conversei com o Uby foi na feira do livro de Florianópolis, ele estava muito triste, deprimido, visivelmente sem expressão e sem forças para enfrentar a vida como ela é. Numa rápida conversa, tentei animá-lo e motivá-lo a enxergar outras possibilidades – que sabia de antemão que era muito pouco provável que ele (devido ao seu estado emocional) as enxergaria e muito menos as alcançaria.

Foi uma tentativa inócua, reconheço, mas foi o que consegui fazer na ocasião desse que seria inesperadamente o nosso último encontro. O Uby se foi, colocou um fim em sua própria vida. Por mais paradoxal que pareça, a ausência agora do Uby é a constatação do quanto esse poeta era notado nesta cidade cercada por shoppings. O Uby, vaidoso e com baixa autoestima, não conseguiu perceber isto e se ressentia da falta de reconhecimento de seu trabalho. O que, em certa medida, é verdade. Afinal, a capital dos grandes meios de comunicação que só concede espaço para os escritores e poetas oficiais bem-comportados pouco se lixa para os ditos alternativos.

Mas o Uby tinha o carinho e respeito de seus amigos, o reconhecimento de outros escritores pelo seu trabalho e sua ousadia. Quantos de nós escritores, poetas, tiveram e tem a coragem de tentar viver de sua arte; a expressão mais genuína da existência humana. Quanto de nós largaria a zona de conforto de uma sobrevivência material garantida por um emprego fixo. Quanto de nós arriscaria exercitar a liberdade de autodeterminar a sua sobrevivência. Quantos de nós hesitaria em apropriar-se plenamente do tempo, sem nenhum tipo de controle social. Simples assim, claro que não! Viver está muito mais complexo agora do que em outras épocas.

O Uby não conseguiu sobreviver de sua arte, partiu sem ser reconhecido pelo seu trabalho. Se foi, com a impressão de que não era notado no meio da multidão; ao contrário do Wally, aquele personagem do livro. No entanto, pelo grande ser humano que era e por sua profecia poética não partiu sem antes nos advertir: os homens e mulheres só conseguirão realmente ser felizes quando se apropriarem de sua verdadeira condição humana e, sem a genuína arte, a humanidade está destinada a ser um objeto dos que a vem dominando ao longo dos séculos.

Faz cinco anos que ele se foi. Onde está o Uby agora pouco importa, mas onde ele esteve sua passagem não foi em vão!

Foto: Dinovaldo Gilioli.

Dinovaldo  Gilioli, escritor. Autor do livro Cem poemas (editora da UFSC), entre outros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.