O bizarro encontro entre Temer e Lúcia

Por Tadeu Porto.

Que a República Nova ruiu em 2016 eu já suspeitava, só não sabia que o velório ia ser tão vergonhoso e aterrorizante.

[Pelo menos não podemos condenar a história ou o acaso, afinal, nesse período horripilante da nossa trajetória, cada figura que se destaca parece ter saído direto de um filme de terror.]

Com ou sem a direção do Zé do Caixão, as instituições estão funcionando normalmente, dizem os golpistas no primeiro microfone que aparece na sua frente.

E é natural que os usurpadores do poder argumentem assim, afinal, Golpes de Estados precisam necessariamente afastar o povo das tomadas de decisões – como, por exemplo, cancelar eleições, fechar o congresso ou reprimir atos de rua – para que a elite, disfarçada de mídia e burocracia, defina o rumo do país.

Portanto, dizer que “as instituições estão funcionando” é, nada mais nada menos que explicitar para a sociedade: “deixa a gente resolver as coisas aqui e fiquem fora dessa”.

Obviamente, tal afirmação não tem ancoragem nenhuma com a realidade nacional. As Instituições sequer estão funcionando – vejam a paralisia do STF, por exemplo – e, quando resolver funcionar adotam uma postura egoísta e totalmente fora o escopo ético que, teoricamente, justifica a existência institucional.

Um grande exemplo dessa aberração é o encontro fora da agenda entre a Presidenta do Supremo – Carmen Lúcia – e aquele que usurpou a presidência da República, Michel Temer. Dentro da lógica institucional, o primeiro presidente a ser investigado no mandato e ainda a ter seu sigilo fiscal quebrado (se estivéssemos numa democracia eu seria contra esse absurdo, mas já que Temer começou esse jogo de vale tudo é difícil sentir empatia por ele) não pode ter encontro fora da agenda com a representante maior do judiciário.

Aliás, não é a primeira vez que Carmen faz isso: ela já esteve reunida com o “PIB brasileiro” e participou de jantares com a Shell, aquela petrolífera acusada de corrupção pelo mundo todo.

A pergunta que nos vem na mente, nesse momento, é quantos setores da sociedade civil, inclusive aqueles que sofrem de verdade com a crise do país, conseguem uma reunião com a presidente do STF, como conseguiram empresários bilionários, empresas de petróleo e um presidente golpista?

Essa é a cara do Brasil do Golpe: meia dúzia de pessoas com zero identificação popular e que quase não passaram pelo crivo do voto direto estão ditando as regras – quando querem e da maneira que querem – sem respeito algum ao pacto popular, seja eleitoral, seja constitucional.

Por isso, quando a Presidenta do STF acenou e sorriu para a câmera que registrou o momento em que ela recebia o presidente golpista – em 2017 – não foi a simpatia de quem gostaria de demonstrar que “as instituições funcionam” mas sim um deboche de quem sabe que não vai sofrer nem um pouco pela crise que o país vive.

O “baile” Temer-Lúcia se torna, assim, a materialização do Brasil pós-Golpe: o encontro de uma casta que tem a absoluta certeza de que não medirá esforços para manter seus privilégios.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.