MPF acusa ministro da Educação de ofender honra de estudantes e professores

Petição inicial lista ocasiões em que Abraham Weintraub ofendeu a honra de alunos e docentes; MP quer que União pague indenização de R$ 5 milhões.

Foto: Reprodução da internet

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte entrou com uma ação civil pública na Justiça Federal do Estado para que a União pague indenização de R$ 5 milhões por danos morais e coletivos a alunos e professores, em função de declarações do ministro da Educação, Abraham Weintraub.

A petição inicial lista as ocasiões em que o ministro, de acordo com o órgão, ofendeu a honra de estudantes e docentes. Entre a menções estão um trecho de entrevista concedida no dia 30 de abril, quando ele mencionou que “universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”.

Na petição, o MPF também lembra que, durante audiência na Comissão de Educação na Câmara dos Deputados, Weintraub se recusou a se desculpar pelo uso do termo “balbúrdia” ao se referir às universidades federais. “Eu não tenho problema nenhum em pedir desculpas, mas esse não”, disse, reagindo a questionamento do deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

O Ministério Público Federal potiguar justifica o pedido de indenização em face de fatores como “a extensão nacional do dano, atingindo a honra e a imagem de milhares de alunos e professores e a “repercussão grave de tais ofensas, com realização de diversas manifestações públicas relacionadas às falas”, mencionando ainda a “reiteração da conduta, como já explicitado”.

A petição é assinada pelos procuradores da República Emanuel de Melo Ferreira, Renata Muniz, Victor Mariz, Caroline Maciel e Fernando Rocha.

Estudantes, professores e trabalhadores ligados à educação ocupam as ruas do Brasil nesta quinta-feira (30/05), contra o corte de verbas na Educação pelo governo Bolsonaro. Segundo levantamento da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da CUT, são cerca de 150 cidades com manifestações confirmadas, seja por secundaristas, universitários, pós-graduandos, professores e trabalhadores de diversas categorias.

1 COMENTÁRIO

  1. AHORA SEÑORAS Y SEÑORES BRASILEIROS LLOREN, COMO NIÑAS Y NIÑOS, POR LA PÉRDIDA DE AQUELLOS DERECHOS QUE NO SUPIERON DEFENDER COMO MUJERES Y HOMBRES. LO QUE HACE BOLSONARO YA ESTABA PREVISTO ASÍ QUE AHORA NO SE ASUSTEN. ESTOY SEGURA QUE LES SUCEDERÁ EXACTAMENTE LOS MISMO QUE A LOS ARGENTINOS QUE HAN ESTADO EN LAS CALLES DURANTE TODO LO QUE VA DEL DESGOBIERNO DE M. MACRI SIN OBTENER RESPUESTAS POSITIVA A SUS DEMANDAS.

Deixe uma resposta para fulvia de león Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.