Mesa vai rediscutir decisão sobre passagens para cônjuges nesta terça

Deputado-Eduardo-Cunha-durante-sessao-de-votacao-na-Camara-dos-Deputados-foto-Fabio-Rodrigues-Pozzebom-Agencia-Brasil_201502250002

Mesa Diretora da Câmara dos Deputados se reunirá nesta terça-feira (3) para rediscutir a decisão de permitir a compra de passagens aéreas para cônjuges dos parlamentares. A informação foi dada pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha.

“Estamos sempre subordinados à vontade da opinião pública. E se nós fizemos algo que a repercussão não está positiva, cabe a nós fazermos mea culpa e corrigirmos.”, afirmou.

Cunha irá propor, segundo ele, uma regra para os parlamentares não poderem comprar passagens para cônjuges. As exceções deverão ser solicitadas pelo parlamentar a partir de justificativa com critério a ser definido pela Mesa.

Pela decisão que deve ser rediscutida, os deputados podem utilizar o valor da cota para pagar a passagem aérea dos seus cônjuges, desde que o trajeto seja entre o estado de origem e Brasília. Até essa decisão, os bilhetes aéreos só podiam ser emitidos para os deputados e seus assessores de gabinete.

Para que o cônjuge possa usar o benefício, o deputado teria que apresentar requerimento, com justificativa, a ser avaliado pela 3ª Secretaria da Mesa – órgão responsável pelo controle de emissão de passagens na Câmara.

Sem cabimento
Quatro partidos (PT, PSDB, Psol e PPS) já tinham anunciado que abririam mão do uso da verba para cônjuges. “Eu fiquei muito feliz de o presidente da Câmara voltar atrás. Porque não tinha o menor cabimento, era inexplicável que dinheiro público viesse a custear passagem de esposas e maridos de parlamentares”, afirmou o líder do PSDB, deputado Carlos Sampaio (SP).

O partido entrou com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir o pagamento. O ministro do STF Teori Zavascki negou na sexta-feira (27) a liminar do PSDB sobre as passagens e pediu mais informações para a Câmara sobre a questão.

Novo anexo
O presidente também negou que seria construído um shopping com recursos públicos em um futuro anexo da Câmara dos deputados, como foi noticiado na semana passada. “Isso [a construção do anexo] é uma coisa que está em estudo e o shopping não vai ser construído com dinheiro da Casa. O shopping é a forma de viabilizar a participação da iniciativa privada para bancar a obra da Câmara sem despesa para a Câmara”, disse.

Segundo Cunha, a proposta do anexo 5, uma de suas promessas de campanha, ainda está em estudo e a ideia é buscar uma parceria com a iniciativa privada para a construção do prédio que deve abrigar mais gabinetes para os parlamentares. O presidente voltou a afirmar que há recursos já reservados para as obras.

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Newton Araújo

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.