Me mato ou tomo um café?

 Luciane 2

Por Luciane Recieri Dallabrida.*

O pós-guerra trouxe uma geração apaixonada. Trouxe? Me parece. Ou foi um vácuo tão grande que fez com que o humano se aproximasse do amor? Daí veio a Sony fazendo rádio transistorizado produzido em massa. Massa. IBM e os cérebros eletrônicos. Sputnik. O Jânio proibindo o rock’n’roll nas festinhas. 800 galáxias comprovam o Big Bang. A Comissão de Energia Atômica dos EUA anuncia a bomba H estava pronta para ser usada. Kerouac e os beats, muito transviada a juventude com um coração de plástico transplantado. Olho os livros de registro hoje, este que tenho nas mãos começa em 1955, termina em 1959, ano da Revolução… e aí nasceu a marca identitária de um povo. Tenho que achar a Elza… não presto atenção. Elza não está aqui. Inventaram a vacina contra a pólio. Chanel reabre sua maison. Minha mãe se casou com meu pai. Ela 18 e ele 18. Em uma década e pouco teria todos nós. Nove. De nós. Só os últimos três tomaram a vacina contra a poliomelite. O Adhemar de Barros, maldito, vendeu as nossas vacinas, o Lamarca roubou o dinheiro, ladrão que rouba de ladrão tem cem anos de perdão. Observação: isso não foi na década de 50, mas vale lembrar. E eu reviro o livro atrás da Elza que não está. Os nomes que davam às crianças nesta década eram feios. Os nomes que se dão às crianças agora são feios e sempre foi assim – um tempo só de Márcias, um tempo só de Elisas, não que sejam feios, mas como somos repetitivos! 50 em 5. Como pode um peixe vivo? E me dá sono. Terminamos o ano da revolução, começo a nonsense década de 60 e nada da Elza. Faltam 8 anos pra eu nascer e aqui, morrendo de sono, imaginando coisas e pensando como uma criança poderia morrer por negligência médica em 1950. E como pode hoje? Soube de três crianças nestes últimos três dias. O pós nada traz que tipo de geração? A um passo da eternidade com escandaloso beijo e eu aqui no maior marasmo procurando por uma Elza que insiste estar aqui, mas não está. Bocejos, críticas sensoriais. Me mato ou tomo um café?

 *Retrato da autora por Lincoln Richard.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.