Juan Gelman foi pros céus

Publicado em: 18/01/2014 às 10:10
Juan Gelman foi pros céus

Juan_Gelman 2

Por Carmen Tornquist.

Faleceu  nesta semana, no dia 14 de janeiro o poeta e  intelectual  argentino, Juan Gelman.  Nascido em 1930 em Buenos Aires, filho de imigantes, Gelman  exilou-se  no Mexico em 1976 e aí radicou-se. Autor de inúmeras poesias e contos, Gelman foi um militante  anti-imperialista desde a adolescencia e atuou  corajosamente   junto ao movimento de direitos humanos e pela memória dos desaparecidos e mortos das  Ditaduras  do Cone sul, em especial, da Argentina, cuja truculência se abateu diretamente  sobre sua vida familiar,  tomando-lhe seu filho  e sua nora e, até recentemente, sua neta(Macarena) que reencontrou, não sem muito pelear,  no Uruguai.

 Suas poesias  são atravessadas pelo  permanente engajamento politico, pela contundente critica a violência militar, e  também por  temas existenciais, cuja calidez apaixona os leitores a primeira leitura. Entre suas  obras  destaca-se Gotan(1962), Colera buey(1965),Fabulas( 1971)Hacia el sur (1982),  Carta a mi madre( 1989) Valer la pena(2001). Recebeu o Premio ibero americano de poesia Pablo Neruda(2005) e o  Premio Cervantes em 2007, entre outros.   Amor que serena, termina? foi publicado no Brasil  e contém poemas traduzidos por Eric Nepomuceno. Sua última obra foi finalizada em 2013 (Amar a Mara) e  é  dedicada a sua mulher.

Além de poeta e escritor, Gelman colaborava permanentemente com o Jornal Página 12, que dedicou várias paginas de sua edição de 16 de janeiro ao autor, com comentários de Atílio Boron e Sara Méndez, entre outros.  Neste, se resgata um dos seus primeiros poemas

 publicada em Violín y otras cuestiones(1956):

Epitafio

un pájaro vivía en mi

una flor viajaba en mi sangre

Mi corazón era un violín

Quise o no quise

pero a veces me quisieron

También a mi me alegraban:

la primavera, las manos juntas,

lo feliz

Digo que el hombre debe serlo!

(aqui yace un pájaro

una flor

un violín)

O governo argentino decretou luto oficial por três dias em  sua homenagem.

Imagem tomada de: en.wikipedia.org

Deixe uma resposta