Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, tem fila de 14 mil testes de coronavírus em processamento

Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

O problema da subnotificação de casos da Covid-19 vem sendo destacado desde o início do crescimento dos números registrados. Além da pouca quantidade de testes, a dificuldade de processá-los também dificulta o registro. No Instituto Adolfo Lutz (IAL), em São Paulo, já são 14 mil testes na fila.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde (SES), o IAL recebe cerca de 1.200 testes por dia, mas só tem capacidade para processar 400. Assim, a fila de testes realizados, mas esperando para serem processados, aumenta, assim como o tempo de espera para o recebimento do resultado. Em São Paulo, esse período já chega a durar 14 dias.

No sábado (28), já eram cerca de 12 mil testes aguardando resultado no Instituto. Diante da situação, o governo do estado declarou que vai tomar medidas para otimizar o processamento dos testes. Contudo, nesta segunda-feira (30), já havia 14 mil testes na fila.

Paulo Menezes, coordenador de Controle de Doenças de São Paulo, informou ao G1 que, a partir da próxima semana, a capacidade no IAL será ampliada para o processamento de 1.800 testes por dia. “Vamos contar também com o Instituto Butantan produzindo mais mil testes por dia e, em 15 dias, nós conseguiremos atingir 10.000 testes por dia no estado de São Paulo para o SUS”, afirmou.

Uma das medidas anunciadas pelo governo é a capacitação de outros laboratórios para realização de testes RT-PCR em tempo real para o novo coronavírus. Até a última sexta-feira (27), dois outros laboratórios estavam habilitados. Além disso, estão sendo importados 60 mil kits de testagem, dos Estados Unidos, e funcionários foram realocados para o IAL. Também deve ser instalado um novo laboratório do Instituto Butantan, com capacidade de processamento de 2 mil testes por dia, a partir de meados de abril. O governo também investe em parceria com laboratórios particulares.

A dificuldade de processamento dos testes impede as autoridades de contabilizarem os casos confirmados de forma correta. O número de casos de Covid-19 pode, portanto, ser muito maior do que os registrados diariamente. Isso se deve, também, à baixa quantidade de testes disponíveis para aplicação, mas a demora no processamento dos testes é prejudicial porque reflete em um crescimento irreal da curva de casos registrados, como explicou o professor do Instituto de Física Teórica (IFT) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), ao G1: “Devemos ter cuidado com a interpretação desses resultados no sentido de que pode ser que haja algum efeito da própria epidemia estar mais lenta, mas também pode ser, simplesmente, o fato de termos feito menos testes”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.