Governo de Santa Catarina irá investir R$4 milhões mensais na alimentação de alunos da rede estadual

Foto: Divulgação/Secretaria de Educação de SC

O Governo do Estado, em conjunto com a Secretaria de Estado da Educação, a Secretaria de Estado da Agricultura, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e a Epagri, preparam a distribuição de kits de alimentação escolar para os alunos da rede estadual de ensino de Santa Catarina. A medida está de acordo com o projeto de lei federal No 13.987/2020, sancionada pelo presidente da República, que autoriza a distribuição da alimentação escolar às famílias dos estudantes da educação básica que tiveram as aulas suspensas em razão de situação de emergência ou calamidade pública.

Com a sanção publicada no Diário Oficial da União de segunda-feira, 7, o Governo do Estado aguarda a decisão do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para iniciar a operação de entrega dos kits. Os produtos distribuídos aos alunos serão integralmente adquiridos da agricultura familiar, com o investimento de R$ 4 milhões (valor mensal estimado) por mês no período em que as aulas presenciais estiverem suspensas por conta da pandemia da Covid-19.

A entrega dos kits aos alunos e familiares será feita em escolas situadas nos pontos estratégicos, determinados pela SED juntamente com as coordenadorias regionais de educação, e seguirá os padrões necessários de higienização e distanciamento entre as pessoas, de acordo com o protocolo da Secretaria de Estado da Saúde contra o contágio por coronavírus. O kit de alimentação será composto por arroz, feijão, farinha, leite UHT, suco integral, biscoitos, entre outros produtos não perecíveis.

O secretário de Estado da Educação, Natalino Uggioni, afirma que muitos estudantes necessitam da alimentação escolar para suprir necessidades diárias de nutrientes e destaca que a medida beneficia a 540 mil alunos da rede estadual. Além disso, ressalta a importância da iniciativa para a agricultura familiar e a economia catarinense.

“Entendemos ser uma medida justa, uma vez que busca atingir a totalidade das famílias dos nossos alunos. Essa medida garantirá o recurso para os pequenos agricultores e também proporcionará a chegada dos produtos nas casas das famílias de nossos alunos. É uma operação complexa, sobre a qual teremos êxito com o empenho e a participação de todos os envolvidos no processo”, destaca Uggioni.

Entenda como será feita a distribuição

A implementação do projeto será feita em duas etapas, com a distribuição do kit, inicialmente, para os alunos das 64 mil famílias cadastradas no programa Bolsa Família. A distribuição inicial dos produtos às famílias destes alunos respeita ao critério de carência para a distribuição de produtos já disponíveis em estoque da Secretaria de Estado da Educação.

A partir da etapa seguinte de entrega, a alimentação escolar será estendida para as famílias de todos os estudantes da rede estadual de ensino, com orientação para que os alunos interessados em retirar o kit preencham um formulário on-line.

A distribuição dos kits na escola será realizada por um servidor, com o controle de entrega pelo cartão do estudante ou por meio de documento assinado pelos familiares. A periodicidade de entrega será definida pela SED e a divulgação realizada pelos gestores escolares.

Impacto na economia catarinense

A aquisição de produtos da agricultura familiar para a alimentação escolar irá injetar, mensalmente, R$ 4 milhões na economia de Santa Catarina. O valor provém de recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) repassados do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A Secretaria da Educação assinou 61 contratos com 42 cooperativas de agricultura familiar para utilizar integralmente o valor do PNAE.

Segundo estimativas da Secretaria de Estado da Agricultura, mais de mil produtores rurais serão beneficiados em todo o estado. A venda de produtos para a alimentação escolar traz ainda a oportunidade de escoar a produção e manter a cadeia produtiva funcionando.

Para Ricardo de Gouvêa, secretário de Estado da Agricultura, a medida beneficiará não apenas as famílias dos alunos, que receberão alimentos de qualidade, mas também irá movimentar a economia em todo o Estado. Ele explica que a agricultura é a base da economia de milhares de municípios catarinenses e o fornecimento de alimentos para a alimentação escolar é um grande mercado para os produtores rurais.

“Conseguimos montar uma programação para que o Programa Nacional da Alimentação Escolar continue comprando os alimentos do agricultor familiar e que essa produção, através das cooperativas, vá para a Secretaria de Educação, onde deve ser organizada e distribuída para as famílias dos alunos”, ressalta Ricardo de Gouvêa.

O projeto do Governo do Estado deve contar ainda com o suporte das empresas terceirizadas já contratadas para fornecer alimentação nas escolas, que serão responsáveis pela logística de separação dos produtos. As cooperativas de agricultura familiar devem levar o alimento do campo até o centro de distribuição das empresas, que serão responsáveis por montar os kits e transportá-los para as 562 escolas envolvidas no projeto.

A Epagri atua no apoio às cooperativas e produtores e na orientação para que as entregas de produtos sigam acontecendo normalmente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.